Na expectativa de resolver a disputa política na Assembleia, o governador Renan Filho pôs um freio – temporário – na reforma administrativa que já anunciou que vai realizar.

Há a decisão: um corte de pelo menos 20% nos gastos com a máquina, e a extinção de alguns órgãos deficitários e ineficazes aparece como uma das soluções mais viáveis.

Mas, como sempre, no meio do caminho “tem” uma pedra.

Resultado: o Palácio vai esperar a evolução das negociações sobre a futura Mesa Diretora da Assembleia para, só depois, decidir o que sai e o que fica.

Por ora, as mudanças estão suspensas.

Uma crônica para o jornalista Laerson Silva
Bolsonaro pode contar com 7 deputados federais de Alagoas na sua bancada