O deputado estadual Olavo Calheiros, ainda que ao seu estilo, vão ao embate com Marcelo Victor pela  presidência da Assembleia.

O primeiro-tio tem conversado com os seus colegas – novos e futuros – sinalizando que a Casa de Tavares Bastos vive um constante processo de desmoralização “desnecessário”.

A Assembleia, é bom lembrar, recebe visitas corriqueiras da Polícia Federal e do Ministério Público Estadual por contas das “diabruras” cometidas, como sempre, com a participação e/ou anuência da Mesa Diretora da Casa.

Não é um discurso, que fique claro, pela moralização do Legislativo, mas ele pontua um aspecto interessante: a cada mandato, um deputado se projeto exatamente por denunciar falcatruas na Casa de Tavares Bastos (ainda que sem consequências legais para os envolvidos).

Cita: JHC, Rodrigo Cunha e “quem mais chegar”.

Hoje, que controla os cargos em comissão na Assembleia – e não apenas da Mesa – são o próprio Marcelo Victor, Davi Davino e Paulo Dantas (em nome do pai) – que vai ser deputado em 2019.

O que impressiona é que até mesmo Paulo Dantas já fechou com Marcelo Victor, que já disse que não abre “nem para um trem” (mesmo que venha de Murici).

Arthur Lira se torna interlocutor da família Bolsonaro na Câmara
Maurício Quintella só fica no governo do Estado se virar secretário
  • GM

    Boa tarde.
    Será que o governador cortará o desvio de energia?
    E o rapaz que desviou tem coragem de repetir as palavras ditas a Luiz, ao tio do governador?
    Enfim um quer ser prefeito de RL,ou deputado federal.
    E o outro quer ficar com o lugar do sobrinho.

  • solon

    Muito trabalho, salários menores do que se imagina, falta de respeito dos alunos e um dos piores sistemas educacionais do mundo. É assim que o brasileiro vê a profissão de professor, o que fez o Brasil cair para a última posição do ranking de prestígio de docentes.

    Enquanto Ainda tiver Zé Povinho votando em bandido.

    Respondam esta questão

  • Williams Roger

    Se for igual ao primeiro turno.
    Olavo “vence”.
    Se for ugiy ao segundo turno, o Vitor vence.

  • JEu

    Pode ser que o Marcelo Victor não abra para um “trem”, mas será que ele aguenta um “estouro de boiada”?!!! de qualquer maneira, e seja qual for o resultado, creio que os “fantasmas” continuarão a “assombrar” a mesa diretora e as folhas de pagamento da ALE/AL… de olho neles PF e MP/AL… é só seguir o exemplo do que está ocorrendo na AL/RJ… e Bangu 3 já tem mais alguns “moradores” ilustres… tudo V.Exa…

  • Carlos

    Pois é vença quem vencer e o perdedor serão os de sempre o povo. Os deputados com certeza vão dar uma rasteira com as botas de borrachas de eletricistas para enfrentar as correntes elétrica do dep. Marcelo Vitor…Quem tem o diário oficial na mão historicamente tem os deputado na palminha da mão.

  • Antonio Carlos Barbosa

    Será que a taboca vai pocar?
    Vamos aguardar, é muita energia acumulada, briga de gatos e leões!

  • ALAGOAS: O ESTADO SEM SORTE!

    ALAGOAS: O ESTADO SEM SORTE!
    Realmente Alagoas é um Estado sem sorte!
    Escolher para o cargo de Presidente da Assembleia Legislativa entre o Deputado Elétrico e o Primeiro Tio é demais, até para os padrões locais (ou para a falta deles!).
    O Deputado Elétrico notabilizou-se em 2009 por ameaçar e agredir fisicamente o funcionário da antiga CEAL, que trabalhava na Operação ‘Varredura’, cujo objetivo era detectar o desvio de energia elétrica, o famoso ‘gato’, em residências de Maceió. O agredido prestou queixa contra o deputado gatuno e disse à polícia que, quando chegou na casa do desonesto parlamentar, na companhia de outro eletricista da equipe, teria sido impedido de realizar o trabalho de retirada do “gato” e de fazer a substituição do medidor de registro de consumo de energia elétrica, que apresentava adulteração (veja o link da notícia: http://gazetaweb.globo.com/portal/noticia-old.php?c=179197&e=).
    O primeiro Tio, irmão do famigerado Senador Renan Calheiros (MDB) e tio do Governador Mirim Renan Filho (MDB), alcançou a fama nacional em 2012 ao agrediu o repórter Ronald Rios do extinto programa de televisão da BAND, CQC, e ainda o chamou de “vagabundo” o profissional da impressa, reação ao ser questionado pelos 5 (cinco) milhões de reais da ALE que seriam destinados a uma biblioteca e uma escola legislativa, que nunca saíram do papel. Tal violência não lhe resultou em qualquer processo, punição ou reprimenda. Nada aconteceu. Isso em rede nacional de televisão, em um dos programas de maior audiência do citado canal (A cena de violência encontra-se aos 6 (seis) minutos e 08 (oito) segundos do link https://www.youtube.com/watch?v=oXywK79wkf8).
    O nosso Estado não tem jeito! Melhor seria que Alagoas fosse um golfo, conforme falava o saudoso escritor alagoano Graciliano Ramos.