Na história recente do Brasil, nunca se falou tanto em Constituição, Estado Democrático e de Direito, liberdade de expressão, tolerância entre os diferentes, quanto agora.

Foi exatamente o que aconteceu logo após o encerramento da apuração dos votos do segundo turno, com  o pronunciamento da presidente do TSE, Rosa Weber, e com o presidente do STF, Dias Toffoli. E, principalmente, com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, que fez um “juramento público” de governar com a Constituição, preservando a liberdade e o convívio democrático.

Era preciso – e ainda é – reduzir as tensões e o medo de que as conquistas históricas da sociedade brasileira fossem descartadas, em razão de um processo eleitoral em tudo doentio.

Independentemente de qualquer coisa, foi essa democracia e a Constituição, que completou agora 30 anos, que asseguraram o debate – raso, é verdade – e garantirão a posse do presidente eleito.

Democracia se pratica – não se negocia. A vitória de Jair Bolsonaro é legítima, incontestável e foi obtida nas urnas, de onde saiu a “nova cara” do Brasil.

O substituto de Temer no Palácio do Planalto deverá agora, no entanto, anunciar à nação qual o programa de governo dele para a geração de empregos, para a Educação, para a Saúde, para que o cidadão comum, principalmente o mais vulnerável e necessitado, se considere respeitado, atendido naquilo que é papel essencial e indispensável do Estado.

Otto von Bismarck, responsável pela unificação da Alemanha, no século dezenove, dizia que “nunca se mente tanto como antes das eleições, durante uma guerra e depois de uma caçada”.

Não me parece ser o caso, agora: envolvido em tantas polêmicas criadas por ele próprio e sendo alvo inclusive de um atentado, o futuro presidente Jair Bolsonaro disse pouco sobre o que, efetivamente, pensa em fazer pelo povo e para o povo brasileiro.

A hora é de acender uma luz sobre este mistério.

Ou a oposição no Brasil se junta ou se arrebenta
Adeilson Bezerra pode aproximar Renan Filho do Palácio do Planalto
  • joatas

    Não roubando bilhões e nem enviando outros bilhões para ditaduras, já terá dado o maior passo para ajudar a população. Dinheiro brasileiro, investimento no Brasil.

  • Sertanejo ENLUTADO esperando Justiça e PAZ com FÉ

    De FATO, caro Ricardo … ‘ nunca se mente tantoto com’antes das ELEIÇÕES, durante 1 guerra e depois d’1 CAÇADA’
    DE O-v’Bismarck (1815-1898) reunificando a Alemanha esculhambada por Hitler (1898-1945) e reparada por franceses e ingleses + norte-americanos e russos (1945-1989) até REUNI-LA de novo a partir de 1990 sem impixo até hoje e SEM bravatas, amigo!
    https://brasilescola.uol.com.br/historiag/reunificacao-alemanha.htm
    Aqui nunca houve CAÇA a marajás, ‘tamo SEM guerra desde a do PARAGUAI 9’s fora uma mãozinha contra NAZI-FASCISTAS do eixo sub ALPINO da Linha Gótica e nos Apeninos SETENTRIONAL. Com vitória em Monte Castelo a 1.000 (mil) metros de altitude durante 3 meses (24nov1944 a 21fev1945) com 6 (seis) ataques em pleno INVERNO c’um frio da gota serena da bixiga lixa. É nóis!
    http://www.portalfeb.com.br
    Somos todos OLHOS e ouvidos mas … ‘o FUTURO presidente (J Bolsonaro) disse POUCO’
    > O que, efetivamente, pensa em fazer pelo POVO e para o povo BRASILEIRO. [???…]
    – A hora é de acender uma luz sobre este mistério. `[!!!…]
    > Qual o programa de governo dele para a geração de empregos?…
    – para a Educação, para a Saúde?… [Ricardo MOTA acima – SUBSCREVO]

  • williams Roger

    Diz isso ao Calígula!

  • Leitor Distante

    “O substituto de Temer no Palácio do Planalto deverá agora, no entanto, anunciar à nação qual o programa de governo dele para a geração de empregos, para a Educação, para a Saúde, para que o cidadão comum, principalmente o mais vulnerável e necessitado, se considere respeitado, atendido naquilo que é papel essencial e indispensável do Estado.” Nas democracias europeias, os cidadãos não votariam em quem não apresentasse essas informações ANTES das eleições. Mas o Brasil é um país ímpar. Tem o povo mais esperto, sábio e inteligente do mundo, já descrevia Mário de Andrade.

  • WAL

    RICARDO MOTA, se o sr. me permite, devo discordar do sr, no que diz o 1º parágrafo.
    O sr. RENAN CALHEIROS , quando questionado sobre suas MAZELAS… OU MELHOR, ACHO QUE em 12 processos por ROUBOS ou outras FALCATRUAS, ele RENAN PAI, as primeiras palavras dele era: falar as palavras: CONSTUIÇÃO & ESTADO DEMOCRÁICO DE DIREITO e ainda com o livro nas mãos.

  • JEu

    Para a economia ele já o disse: não tem mais roubalheira nem desvios de dinheiro brasileiro para republiquetas ditatoriais e não tem mais cargos comissionados e nem posições em empresas públicas para negociatas… assim, vai sobrar dinheiro para investimento na saúde (inclusive com a criação de um cadastro único nacional…) e para a educação (com o aumento de escolas de nível fundamental e médio aos moldes das escolas dos colégios das polícias militares… assim, além de manter o ensino conforme prescreve o bom planejamento didático, ainda acaba com a violência contra professores…) e, para finalizar, ainda disse que quer ver o cidadão podendo andar nas ruas aos moldes de Portugal, Suíça e outros países onde as pessoas não têm medo de andar nas ruas, ou seja, a segurança pública vai caminhar para ser, realmente, segurança pública… quanto à geração de emprego e renda, com a diminuição do déficit das contas públicas (a máquina pública vai ser enxugada…) haverá a atração de investidores nacionais e internacionais, propiciando o progresso e a recuperação dos empregos perdidos a partir de 2010, tendo como ápice 2014, 2015… é esperar (e, espero, todos unidos, torcer e trabalhar para que dê certo…)

  • Pedra noventa

    O povo precisa de segurança, se o presidente eleito acabar com 70% dos vagabundos que praticam crimes contra os pais e mães de famílias e as crianças no Brasil afora, será uma grande feito para que os brasileiros tenha seu direito constitucional de ir e vir garantido, sem medo de ser assaltado ou morto.