Como em 1994, eleição ao governo de Alagoas pode ser decidida por W.O.
Saiba os prováveis motivos da desistência de Rui em disputar o governo

A consequência prática e objetiva da desistência de Rui Palmeira em disputar o governo do Estado: Renan Filho vai, finalmente, poder escolher com quem ele quer ficar para o próximo governo.

Ironicamente, os Calheiros trabalharam durante mais de três anos para juntar no seu entorno todas as forças políticas locais – de bolsonaristas a comunistas.

E conseguiu. Agora, ao que parece, definitivamente.

A maior conquista, conforme já registramos aqui, havia sido Ronaldo Lessa (PDT), um nome que era disputado com o prefeito Rui Palmeira.

Quem da bancada federal interessará ao Palácio República dos Palmares – além daqueles que os Calheiros já possuem?

Quais os deputados estaduais, dos tantos que esperam uma ajuda para a campanha, terão alguma prioridade?

Como aconteceu em 2014 – no governo Vilela -, Renan Filho poderá repetir uma chapa puro-sangue, mesmo que sem Luciano Barbosa, para se manter no Palácio.

É o cenário dos sonhos dos emedebistas, que já comemoravam a vitória ontem à noite.

O que os aliados de Palmeira se indagam, por óbvio, é por que o prefeito demorou tanto a “desistir”, deixando que seu nome circulasse como provável candidato ao governo?

Só ele próprio poderá responder (um dia).