Cristiano Matheus e Celso Luiz: do poder político à tragédia policial
Mudança no TSE pode dificultar candidatura de deputados alagoanos condenados pelo TJ

A afirmação é de um deputado governista, extremamente irritado com o que aconteceu em relação à Lei Chico Tenório – que deve ser promulgada pela Assembleia -, que altera o estatuto da Polícia Militar (e provocou revolta dentro da corporação).

A “perda de prazo” na entrega do veto do governador à matéria aprovada pela Assembleia não tem muito importância, para ele:

– Se foram quinze dias, dezesseis dias, isso não é o que conta. Desde o começo, quando a matéria estava ainda em tramitação, o governador e nós da bancada de situação assumimos o compromisso de barrar essas mudanças. Não foi o que aconteceu. Houve, na verdade um jogo de comadre.

Ou seja: o que ocorreu estava dentro do combinado, já que os dois principais beneficiados seriam ligados politicamente a Tenório e ao PMDB.

A lembrar: o coronel Adroaldo Goulart – um nome em evidência na PM – chegou a ser condenado pelo TRE como laranja, em 2014, quando disputou a eleição de governador, atacando unicamente o senador Biu de Lira (segundo a denúncia do MP Eleitoral).

Outro beneficiário seria o coronel Brito (que já está na reserva), que disputou o Senado, em 2014, e terminou se envolvendo em uma encrenca com a atual diretora-geral do HGE.

Eles vão poder, com a promulgação da matéria pela Assembleia, permanecer – ou voltar, no caso de Brito –  na ativa, como coronéis da PM, com todas as regalias oferecidas.

Eu tentei, desde ontem, conversar com o secretário do Gabinete Civil, para obter alguma explicação sobre a “perda de prazo” na entrega do veto do governador. Fábio Farias, entretanto, está viajando.

Ainda assim, um palaciano confirmou que a versão do “jogo de comadre” é absolutamente factível, pela relação política entre os envolvidos.

Justiça

Se há um consenso entre as partes é de que a questão vai ser judicializada. Mas nenhum poder no país está imune às pressões de natureza política.

Só a distância – geográfica, inclusive – pode estabelecer algo mais próximo da verdade.

Fábio Farias 

O secretário Fábio Farias garante que o Palácio República dos Palmares não perdeu o prazo para a apresentação do veto. Segundo ele,a matéria foi enviada à Assembleia no último dia previsto pela lei: “Está dentro do prazo, e nos estamos esclarecendo a questão junto aos deputados, para que não reste a menos dúvida.

Disse mais: segundo a PGE, o projeto da Lei Chico Tenório “é inconstitucional.”