Abrahão Moura vira peça-chave na campanha de Renan
"Se Aécio Neves for afastado, Collor também deve ser", diz Gilmar Mendes

O deputado Rodrigo Cunha, de ótima presença no parlamento estadual, não é um orador com a contundência de um Mendonça Neto, por exemplo.

Mas quem o é por esses tempos?

Paulatinamente, no entanto, o jovem advogado, que exerce o seu primeiro mandato, vai endurecendo o discurso de oposição, coisa cada vez mais rara em Alagoas – e não é de hoje.

Recentemente, Cunha fez referência a uma suposta “monarquia”, numa alusão à família Calheiros, que está hoje no poder.

É um evidente processo de mudança de forma e conteúdo na fala do tucano – que pode ser candidato, inclusive, ao Senado, no próximo ano.

É um nome que “assusta” os velhos caciques da política local. Claro: sem a garantia, que ninguém pode dar, de uma vitória nas urnas em caso de uma disputa mais ousada.

Ressalte-se, por importante no cenário das eleições locais, que Rodrigo Cunha tem estreitado os laços com o prefeito Rui Palmeira, apontado pelos palacianos como o “inevitável” adversário de Renan Filho nas urnas de 2018.

Se isso vai acontecer, deixo a aposta para os que creem nos sinais dos búzios.