Tem nova data o julgamento do deputado João Beltrão acusado de ser o mandante do assassinato do cabo Gonçalves, um crime ocorrido há mais de 21 anos.

O desembargador João Luiz de Azevedo Lessa, relator da Ação Penal, marcou para o dia 26 de setembro a sessão de julgamento do caso, que já recebeu uma confissão pública do ex-oficial da PM, Manoel Cavalcante.

A data inicial seria 12 de setembro, mas o adiamento aconteceu a pedido – justificado -da defesa do deputado.

JB, como é conhecido, seria, de acordo com o Ministério Público Estadual, o autor intelectual do homicídio qualificado que vitimou o cabo Gonçalves, conhecido como Cabo Gonçalves, ocorrido no dia 9 de maio de 1996, por volta das 11h, na pista do Auto Posto Veloz, situado às margens da Avenida Menino Marcelo, em Maceió.

Há uma denúncia de homicídio contra o deputado à espera de definição de data de julgamento pelo TJ; do bancário Dimas Holanda, que acontece em abril de 1997.

 

Família Pessoa de Arapiraca quer vaga na Assembleia e na Câmara Federal
STJ recebe delação da Odebrecht que cita o governador Renan Filho
  • Do BARRO Duro à PESCARIA flácida: SãJorJAndo o pé na JACA(ré)CÍNICA!

    Até QUANDO isso continua? … esse ‘tamo JUNTO dos 600 diabos – pQp!!!
    … Do ”adeus querida” ao ”tome Temer”, os sinais são reveladores de que a democracia brasileira tem sérios problemas.
    https://carlosmelo.blogosfera.uol.com.br/2017/08/31/apenas-mais-um-impeachment/?cmpid=copiaecola

  • SEM sobrenome

    Não vai dá em NADA! pq? Por conta de um sobrenome
    ;(

  • Ednaldo

    Não dá para acreditar em uma Justiça que demora 21 anos para julgar um processo, Justiça tardia não é justiça.

  • wal

    O resultado;com certeza vai ser; INOCENTE. E não precisa mandar flores para a esposa do ministro GILMAR MENDES lá do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL…esses cafés pequenos, será resolvido por aqui em Alagoas mesmo…
    VIVAS AS LEIS BRASILEIRAS, Vivaaaaaaaaaaaaaaa.

  • JEu

    Resta saber quem vai receber “flores” no TJ/AL… e tudo fica como dantes no castelo de abrantes… por isso que, em casos como esses, que envolvem o famigerado instituto do foro privilegiado, só acredito que será resolvido pela Justiça Divina… por aqui, tudo termina em pizza, churrasco, feijoada… ou seja lá o que for… porém, o povo já está abrindo os olhos e vai dar o troco em 2018, expurgando a política alagoana dos senhores feudais, dos coronéis do interior, dos clãs dominantes e dos usurpadores do erário público…

  • Alagoano.

    Precisamos de um Sérgio Moro é um Bretas com urgência.

  • José Adelfo Dantas Chaves

    Com estas e outras notícias tristes que vemos todo dia, será que vale a pena o povo cantar nos estádios de futebol aquela musiquinha “eu sou brasileiro com muito……………”

  • Antonio

    Para quem apoiou a decisão do juiz liberar a criminosa que foi presa em flagrante com 8 armas…olha a Almagis fazendo escola:
    “O juiz José Eugenio do Amaral Souza Neto soltou Diego Ferreira Novais, de 27 anos, que assediou sexualmente uma mulher dentro de um ônibus na Avenida Paulista, no centro de São Paulo. O assediador, que já tem cinco passagens pela polícia por suspeita de estupro, ficou menos de 24 horas detido.
    O magistrado não viu ‘constrangimento tampouco violência’ no caso do homem que ejaculou no pescoço de uma passageira dentro do transporte público. Para Souza Neto, o crime se encaixa no artigo 61 da lei de contravenção penal, de 1941, ­– “importunar alguém em local público de modo ofensivo ao pudor” –, por isso considerado de menor potencial ofensivo.

    Ainda conforme a decisão, o juiz destaca que o “ato praticado é grave” e que o homem tem histórico de ações semelhantes, mas que o crime “se molda à contravenção e não estupro.”

    “Entendo que não houve constrangimento tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco de ônibus, quando foi surpreendida pela ejaculação do indiciado”, aponta o texto.

    Outros órgãos perpetuaram o pouco caso do juiz: a Polícia Civil não pediu a prisão preventiva do assediador e o Ministério Público se manifestou pela liberação do homem, de acordo com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo.

    Entenda

    O assédio sexual ocorreu nesta terça (29), na Avenida Paulista. O homem foi preso em flagrante por estupro pela Polícia Militar, após ser mantido dentro do ônibus pelos próprios passageiros. A mulher estava em estado de choque e precisou ser acolhida por outras mulheres que estavam no local”.

    E o pior é que, segundo a Almagis, quem quiser reclamar da decisão vá trabalhar de palhaço num circo.

    • Futuro Promotor

      É claro que essa conduta, embora totalmente reprovável, não configura o crime de estupro em nenhuma hipótese.
      Certíssimo o magistrado.

  • Antonio

    Não…segundo alguns, nenhum ser humano pensante tem o direito de criticar uma decisão de um juiz.
    E assim os homens de bem agonizam na podridão dos tempos atuais.
    Criminoso com 16 (dezesseis) passagens na polícia e andando livre pelas ruas.
    Vejamos:
    “O ajudante de serviços gerais que foi solto na quinta-feira, após ser detido por ejacular em uma jovem em um ônibus na Avenida Paulista, em São Paulo, tem mais quinze passagens pela polícia desde 2009. O modo de agir é sempre o mesmo: no transporte público, ele mostra o pênis e, eventualmente, passa na vítima.
    O caso desta semana foi o 16º para a ficha policial de Diego Ferreira de Novais, de 27 anos. O episódio foi enquadrado como estupro em flagrante pela polícia, mas, na audiência de custódia, o juiz mudou a tipificação do crime para ato obsceno e mandou soltar Novais.

    “Entendo que não houve o constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco do ônibus, quando foi surpreendida pela ejaculação”, alegou o juiz na sentença.

    O primeiro assédio foi registrado em 2009, na delegacia da Lapa (Zona Oeste de São Paulo). Só neste ano, foram três casos na 78ª Delegacia de Polícia, nos Jardins. Novais chegou a ser preso por flagrante de estupro em 2013 e 2016, mas foi solto depois. Os crimes acabaram enquadrados como ato obsceno.
    E viva essa merda toda!!!!!

  • JEu

    Se isso é coisa de pequeno poder ofensivo, gostaria de saber se o caso envolvesse a mulher do juiz… ou de algum membro da OAB ou do ministério público… como no dito popular: pimenta no olho dos outros é refresco…!!! se acham que é caso de doença psíquica, então que o mandassem para um manicômio judiciário por algum tempo… para tratamento…

  • carlos

    O filho,mais ilustre do deputado João Beltrão,Ministro Marx Beltrão,não vê a hora do pai ser inocentado dos crimes,e com o isso provar que o pai é apenas uma “vitíma”,dos invejosos,pelo sucesso que é como político!