Almeida tenta o perdão de Levy Fidelix para dívida de R$ 500 mil
Temer entra na história como o presidente que derreteu em 5 minutos

Os próximos capítulos da delação da Friboi devem trazer denúncias contra Renan, Serra, Dilma e Lula, diz o Estadão.

Apesar de a divulgação da conversa de Joesley Batista com Temer ter tido menor impacto do que o anúncio da conversa, o que foi dito ali – e que se conseguiu ouvir – é gravíssimo: o empresário diz que comprou o silêncio de juízes, procurador da república, Eduardo Cunha e outros iguais.

O presidente, ouvindo tudo e se manifestando discretamente, não parece ter dado nem um só passo em defesa das instituições, como seria sua obrigação. A linguagem e o conteúdo da conversa são próprios dos que integram algum bando nada respeitável.

E isso, repito, é indefensável. Temer não é uma pessoa comum – é o presidente da República.

O que mais foi dito pelos irmãos Friboi é ainda pra lá de  contundente: mesada presidencial, troca de favores etc. O pacote, se não fosse o que já vem sendo revelado há mais de dois anos na Lava-Jato, teria se bastado em si para que Temer deixasse, de imediato, o Palácio do Planalto.

O que vem contra o quarteto Lula/Dilma/Serra/Renan não deve fugir do script já conhecido.

O problema vem a ser o mesmo de sempre: o passo seguinte.

Em tempo:

Segundo o jornalista Lauro Jardim, Renan definiu assim a situação de Temer: “Acabou”.