Aquilo que nos faz rir nos liberta”

(Friedrich Nietzsche, abraçado a um cavalo)                       

Em Gargântua, um romance cômico, François Rabelais afirma que “rir é próprio do homem”. Ele tratava da mais trágica das criaturas, sabendo que o riso é uma necessidade vital para a nossa sombria espécie.

O riso, por natureza, há de ser sempre subversivo, nunca se submetendo às normas morais postas como cânones do bem-viver.  É assim que ele se tornou – e se torna, quando necessário – uma poderosa arma contra a tirania, em toda a história da humanidade.

Chaplin desnudou e ridicularizou personagens perversos, criminosos desprezíveis, como Hitler e Mussolini. Com um detalhe: foi premonitório em seu O Grande Ditador, concebido em 1937. A lembrar: o filme foi proibido no Brasil, em 1941, na ditadura Vargas. Lourival Fontes, o “coleguinha” que comandava o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) do tirano Getúlio Vargas, o considerou impróprio para os habitantes de um país então próximo ao Eixo – e era o nosso caso.

Uma das mais eficazes armas de combate à ditadura no Brasil foi, sem dúvida, o humor. Os fardados temiam o Pasquim e todos os cartunistas/humoristas que expunham as fraquezas e vilezas dos comandantes-chefes do povo brasileiro. Eles sabiam o quanto o escárnio os fragilizava no imaginário dos leitores.

Os tempos, bem sabemos, são do politicamente correto (Chico Anísio seria apedrejado nas ruas, hoje, depois de uma “campanha” nas redes sociais), esta coisa chata que ignora e despreza a linha que separa o humor da humilhação – esta última, imperdoável.

Mas não há de existir um só tema tabu para uma boa anedota. Montaigne, que nunca foi um pândego, me levou a gargalhadas em um dos seus brilhantes ensaios sobre… a morte! Como? Narrando alguns casos históricos em que a traiçoeira dos homens se manifestou em surpresas irreversíveis.

Ésquilo, por exemplo, foi “liquidado por uma carapaça de tartaruga, que escapou de uma águia no ar” (a ave teria confundido sua cabeça com uma pedra, onde pretendia despedaçar a proteção do seu prato do dia).

Conta mais:

– O pobre Bébio, juiz, enquanto dava oito dias de prazo a uma das partes, ei-lo apanhado, tendo expirado seu prazo de vida. E Caio Túlio, médico, ao tratar os olhos de um paciente, eis que a morte fecha os seus.

Meu consolo é que o francês do século XVI se eternizou, virou um clássico, enquanto os boçais do politicamente correto passarão, e deles ninguém há de sentir saudade.

Aproveito para mais uma confissão aos leitores domingueiros deste blog: eu sempre temi o ridículo, que provoca risos na plateia e um sofrimento terrível aos protagonistas não intencionais de suas tragicomédias.

Pois bem: já há algum tempo, a memória me tem trazido alguns dos episódios em que o constrangimento me paralisou, a vergonha corou as minhas faces, a fala guardou-se na garganta, tornei-me, ainda que por um instante, uma estátua de pedra.

É o tal do ridículo me revisitando in memoriam, sem que já não me provoque repulsa. Pelo contrário, discretas gargalhadas acompanham as recordações que evitei tanto quanto pude.

Desconfio, perdoem a falta de modéstia, que vou chegando a uma fase superior do humor, irmão gêmeo do riso (quem quiser pode por tudo no feminino): estou aprendendo, com grande progresso, a rir de mim mesmo.

 

A expectativa de futuros embates entre os vereadores Silvânio Barbosa e Siderlane
Rodrigo Cunha: Renan Filho só cumpriu 6% das promessas de 2014
  • Joao da TROÇA anarco-carnavalesca BACURAU da Rua NOVA do Sertão – em St’ANA!

    Ricardo, … quem NUNCA?
    … “Vc vai me matar de RIR/ Fazendo CÓCEGAS [N Gondin] ouvindo nos 1970’s a infame GARGALHADA tocando nas hit PARADE$ do lado A (de jabÁ) das rádios do BRASIL incivilizadamente democrÔto 1964-85.
    _ http://www.kboing.com.br/nelson-gondim/1040162-a-gargalhada.html
    E como RIO ainda HOJE da capital rumo Planalto CENTRAL das duplas CHIFRUDAS em Goiânia-GO … “E COPACABANA / A linda MERETRIZ-princesa/ … PUREZA e pecado,/ …/ Rio de Janeiro, favelas no coração [Só DóI quando RIO – 1977, Aldir BLANCO (dsd 1946)]
    _ https://www.letras.mus.br/aldir-blanc/384249
    E ríamos com STANISLAW Ponte-Preta da Educação do PASSARINHO com Garrastazu depois da JUNTA dos Três PATETAS do Dr ULYSSES: Lyra Tavares-GENERAL, Rademaker-ALMIRANTE, e Souza Melo BRIGADEIRO
    _ http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/127133/1988_11%20a%2019%20de%20Fevereiro_147b.pdf?sequence=1
    Ainda RIO do enfurecido GENERAL LPGonçalves, MINISTRO, e gargalho com bajuladores, CHUMBETAS em St’ANA onde debochávamos do pÉor da política NACIONAL:
    – de militares ME(r)DIANOS amordaçando escolas e UNIVERSIDADES com AI-5 e Dec 477 … “punindo professores, alunos e funcionários de universidades CULPADOS de subversão ao regime [_ https://pt.wikipedia.org/wiki/Decreto-lei_Federal_do_Brasil_477_de_1969 ]
    – do “fala SÉRIO” do Jornal OPINIÃO ante ouvidos MOUCOS e loucamente desorientados de GOLPISTAS oferecendo pratos PODRES à mesa FARTA de pinicos cheios;
    – das PÉROLAS de Ziraldo e HENFIL, Jaguar e MILLÔR, mais Sérgio PORTO do FEBEAPÁ: Besteiras assolando o PAÍS;
    – e dos pastiches d JORNALÕES capitaneados pelo finado “JB” e pelos embalsamados à 1a vista “O Globo”, ESTADÃO e da golpista HOJE arrependida FSãPÁLio.
    Depois superamos os MAu$ momento$ na ECONOMIA de Delfim e Geisel, começava a mudar a BIRUTA pra NOVOS ventosSEMPRE rio da CULPA julgada por CONVICÇÃO, sem prova ALGUMA pelos. RIO até HOJE! … Estou sorrindo, mas posso CHORAR/ Fazendo cócegas … [N Gondin, compacto SIMPLES MOCAMBO-Rozenblite-Recife/PE]

  • marcio silva

    Mal acordei e já estou bem mais rico. Obrigado, Ricardo.

  • Antonio Moreira

    Éramos crianças, gêmeos(parecidos) – a gente sorria fácil. Em todo canto da cidade éramos chamados de “risadinha”, exceto na minha casa.
    O nosso 1º patrão chamava/gritava: risadinha, vá fazer isso(eu ia); fazer aquilo(o meu irmão já sabia que a tarefa era dele).
    Em alguns momentos da vida, exigia seriedade(não sorrir), e nem sempre conseguia ficar sério.
    Essa semana, estava correndo e alguém gritou de um carro: risadiiiiinha!
    Era um amigo de infância. Como era bom sorri! Estou com 56 anos de idade, como é fácil ficar sério!

  • RISOS/GAITADAS/KKKKKKK!!!

    Prezado Ricardo Mota, o tema é de profunda importância pq. trás no bojo a cura do pé de galinha nos ‘oios’ e diminui adrenalina, ansiedade, causada pela bagunça política que rege o antigo Brasil, hoje nosso Brasisisis!
    Então só RISOS/GAITADAS ENGRAÇADAS & kkkkkkkkkkk!!!
    -Brasisisis q/torrou em 2016 até 07/11 ++++ de R$ 1,053.87 TRILHÃO com a FAMIGERADA DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL nos códigos orçamentários 25.000 + 71.000 + 74.000 + 75.000 e com CIDADANIA só gastou R$ 8,51 bilhões no combate a violência no cód/orç. 30.000 do Ministério da Justiça, mostra como governar sem divisão equânime das riquezas produzidas e falta de seriedade no trato da coisa pública, razão das ++++ de 400 mortes VIOLENTAS/DIA no Brasil. Brasil que que que se mata ++++ do que em quaisquer guerras no MUNDO!!!
    Então só RISOS/GAITADAS ENGRAÇADAS & kkkkkkkkkkk!!!
    -Brasisisis que entre 2003/2016 aumentou em ++++ R$ 3 TRILHÕES (pasmem) a FAMIGERADA DÍVIDA PÚBLICA líquida através de empréstimos contraídos, os quais deveriam ser para INVESTIMENTOS, gerando empregos e renda c/crescimento econômico, mas a dupRRa LULA ATIBAIA TRIPLEX & DILMA RUIMSELFF CASTRO CUBA do ‘PT’ conseguiram maléfico feito de 12.000.000 de desempregados c/contração econômica!!!
    Então só RISOS/GAITADAS ENGRAÇADAS & kkkkkkkkkkk!!!
    -Brasisisis que entre 1995/2016 exportou ++++ de 1.000.000 t/metal nobre NIÓBIO, único no mundo que serve de liga aos demais e que o Brasil DETÉM 98% das reservas mundiais, a preços SUBFATURADOS que projeta prejuízos de ++++ de US$ 1,5 TRILHÃO ou míseros R$ 4/5/6/7 TRILHÕES!!!
    Então só RISOS/GAITADAS ENGRAÇADAS & kkkkkkkkkkk!!!
    -Brasisisis que tem uma ‘Dívida Ativa’ de R$ 2 TRILHÕES e não consegue receber um centavo de REAL da minoria rica, apenas 10% ou 20% resolveriam o problema do ‘caixa Brasil’
    Então só RISOS/GAITADAS ENGRAÇADAS & kkkkkkkkkkk!!!
    -Brasisisis que peço desculpas pelo repeteco de sempre nos meus comentários, justificando as minhas limitações em temas SEM importância na recuperação do BRASIL!!! ++++ uma vez peço desculpas pela vergonha que passei!!!
    Então só RISOS/GAITADAS ENGRAÇADAS & kkkkkkkkkkk!!!
    P/Domingos Correia.

  • Nelma

    O riso sem culpa nos põe na vida, a cada dia.
    Valeu, mais uma vez.

  • JEu

    Disse alguém que rir faz bem à alma e ao corpo… sorrir para alguém faz bem para a outra pessoa… mas precisa ser um sorriso de amizade, respeito e consideração… agora, gargalhar da miséria dos outros normalmente faz mal… a quem gargalha (por miséria moral) e a quem recebe, por humilhação… então, precisamos aprender a rir e a sorrir… quanto ao humor que se vê por aí… muitas vezes pode ser só por satisfação… outras vezes é mesmo por despeito e desconsideração… outras vezes é por pura malícia e maledicência… em alguns casos (como no caso recente do impeachment da Dilma, principalmente na web) é para demonstrar que algo nessa pessoa não está sendo aceito… então, rir, sorrir e gargalhar depende sempre da situação, do modo e do interesse de cada um… Bom domingo, Ricardo.

  • Ricardo Gois Machado

    Rir, mesmo, é quando qualquer desgraça, por menor que seja, acontece a qualquer político.

  • Joilson Gouveia Bel&Cel RR

    HÁ RISOS E SORRISOS NEM SEMPRE HILÁRIOS
    Joilson Gouveia*
    Assim como há o aforismo popular que diz “quem canta os males espanta”, há quem diga que “sorrir é um santo remédio” – que o riso cura todos os males diversos – “sorrir faz bem, é saudável e salutar” e etc. Pode ser!
    Aliás, o Dr. Sorriso, um grupo de psicólogos, atores e atrizes vestidos de palhaço que ajuda aos enfermos hospitalizados, no Hospital das Clínicas, se não me falha a memória, mas, ainda assim, o melhor sorriso é o que expressa a felicidade de rir-se de si mesmo e consigo mesmo; nunca de outrem ou do outro do semelhante e do próximo.
    O melhor mesmo, se não és capaz de rir-se de si mesmo, é RIR com alguém e nunca de alguém, sob pena de tornar-se escárnio ou entristecer alguém de quem se ri. É que nem todo riso é de alegria, de contentamento, de prazer, cômico, engraçado e hilário ou salutar e saudável: uns apenas mostram os dentes! Outros usam-no como ironia. Outros como desdém ou desprezo ao semelhante. Já outros riem, no mais da vez, para não chorar suas mágoas, dores, tristezas, traumas, frustrações, decepções…
    O melhor, o maior e mais belo sorriso é-o dos olhos que sorriem juntos com os lábios, boca e dentes! Os olhos sorrindo refletem o sorriso da própria alma do Ser! O melhor sorriso, pois, é-o de contentamento, alegria e prazer com o outro, num encontro ou reencontro prazeroso que faz bem aos que se abraçam num sorriso comum, livre, espontâneo, voluntário, sincero e franco, mútuo e recíproco, cúmplices do mesmo sentimento, sentido e sentir de ambos.
    Ainda jovem imberbe e adolescente, li e guardei: “sorria! Pois mais triste que um sorriso triste é a tristeza de não saber sorrir” – ou “sorria, mesmo que seja um sorriso triste, porque mais triste que um sorriso triste, é a tristeza de não saber sorrir” – de Polyanna menina, moça e mulher! No entanto, o mais puro é-o sorriso simples, de inocência de uma criança contente, desvestida de astúcias, malícias e maldades ou despojada do mau-caratismo dos adultos.
    Ah! Como esquecer dos velhos e bons tempos dos “fardados”, e dos velhos carnavais, quando Zé Keti cantava: “tanto riso, oh quanta alegria! Mais de mil palhaços no salão, Arlequim está chorando pelo amor de Colombina, no meio da multidão” – árduos, sofridos e sofríveis tempos, tempos terríveis, não?
    Rir é muito bom, é bom demais! “O brasileiro é o único povo que ri da própria desgraça”, teria dito o maior dos humoristas brasileiros: Chico Anísio.
    No entanto, não devemos jamais “rir-se” da honra, das verdades e coisas boas”, como nos advertira e prenunciara Rui Barbosa “o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto…”
    Bem por isso, trago à baila: “Acho o brasileiro um sujeito formidável, é o sujeito que faz piada. Nenhum povo faz piada, só o Brasil! Acontece qualquer coisa, seja uma catástrofe, seja uma chanchada, o brasileiro inventa uma piada na hora”, assestado por Nelson Rodrigues, que averbou o seguinte: “Eu amo a juventude como tal. O que abomino é o jovem idiota, o jovem inepto, que escreve nas paredes ‘é proibido proibir’ e carrega cartazes de Lenin, Mao, Che Guevara e Fidel, autores das proibições mais brutais”.
    No entanto, o humor, o rir e o riso não podem nem devem ser sinais de imbecilidade, de tolice, de idiotia ou de ignorância, como bem nos advertira o próprio Nelson: “Não há ninguém mais bobo do que um esquerdista sincero. Ele não sabe nada. Apenas aceita o que meia dúzia de imbecis lhe dão para dizer”, daí tantos inocentes úteis na linha-de-frente, em protestos que reúnem umas dezenas ou duas ou três dúzias de secundaristas e universitários a esbulhar aos direitos dos outros, mormente aos direitos de ir (estar, ficar) e vir dos demais cidadãos, sobretudo dos que não comungam com suas ideologias, ideias e ideais sinistroPATAS.
    Enfim, o brasileiro é o típico gozador que faz piadas com tudo e com todos, é o gozador nato que goza e adora gozar da cara dos outros, mas detesta ser gozado, pois repele, rechaça e detesta ser gozado ou servir de gozação, muito menos ainda ser contestado, repelido, rechaçado e objurgado.
    Abr
    *JG
    P.S.: quantos perderam seus voos e compromissos por conta desses idiotas que sequer sabem dos cortes de mais de 10,2 bilhões feito por eLLa, na “pátria educadora” e que essa “PEC da morte” é de sua lavra. É típico!