O senador Renan Calheiros tem cobrado da presidente Dilma Rousseff uma posição clara em relação ao PL da Terceirização.

Na sua declaração mais contundente sobre o tema, o presidente do Senado diz que “Dilma é ambígua”. E ele está prenhe de razão.

Calheiros promete apresentar um pacote em defesa do emprego, algo como uma compensação ao ajuste fiscal leviano. Tomara que o faça e que seja factível, nesses tempos de esquizofrenia política no governo (tem bico de tucano, tem asa de tucano, mas não é tucano(????).

A matéria já passou pela Câmara Federal, para onde pode voltar se houver alterações no Senado, e a presidente tem atuado na linha do: “Calma, gente, o mundo é um moinho”.

Até o presidente da CUT, Wagner Freitas (?) cobra uma posição clara e cristalina da dona da principal cadeira do Palácio do Planalto (Levy trabalha em outro prédio).

O 1º de maio do silêncio obsequioso pode deixar de lado um tema que é fundamental: o projeto aprovado pela Câmara permite terceirização de tudo, até da atividade fim.

A presidente não pode é terceirizar a sua opinião. Até agora foi o que ela fez.

Luiz Dantas resistiu à pressão dos que queriam manter voto secreto ontem
Washington Luiz pode decidir sobre voto aberto na Assembleia
  • Rafael lima

    Quero denuncia um matadouro clandestino na cidade de murici

  • BEL

    ALGUMA COISA ESSE SANTO HOMEM QUER.

  • Claudio Franca

    O Pato manco do palacio do planalto cada dia manda menos, Renan chamou de governo adolescente, enquanto Cunha na camera disse que o PT so aprova algo quando ele tem pena, ou seja é um governo novo que nasceu velho, não falar em rede nacional 1 de Maio com medo de panelaço, esse governo acabou so ela não percebeu.

  • carlos

    RICARDO,

    FIM de governo eh assim mesmo todos atiram pedras..
    KKKKKKKKKKKK

  • Anfilófio Tavares

    Elogiar o Cunha e o Renan dos Bois e falar mal da Presidente Dilma. Já disse quem são os que vivem a a comentar nesse seu blog, Ricardo.

  • Silva

    Os deputados que defendem a terceirização usam o mote da regulamentação para combater a precarização do trabalho terceirizado. Nada mais do que demagogia. Querem, na verdade ampliá-la. E esse Cunha? veio de encomenda. Conservador demais. É muita ironia a presidente falar contra a terceirização depois de nos presentear com as MP’s 664 e 665. Idem esse senador alagoano, depois de se perpetuar no poder, agora querer defender o trabalhador.

  • J.Monteiro

    Ora meu caro Ricardo Mota, a presidenta anta dilma, gastou todas suas energias num esforço hercúleo para trazer de volta ao Brasil, o traficante de cocaína que foi fuzilado na Indonésia. O que ela teria a dizer aos trabalhadores brasileiros?

  • ARTUR

    Ricardo, isso é um jogo de xadrez e o PMDB esta colocando em cheque o PT e sua turma. O PMDB é professor a muito tempo em governar sem ser governo é só observar que sempre esteve junto com todos os governos deferente do PT e sempre levando vantagem quando assume MINISTÉRIOS/CORREIOS/PETROBRAS/FUNDOS DE PENSÃO etc. Agora já mostra sinal de afastamento da fracassada DILMA é puro oportunismo na hora certa de sair por cima. É MUNDO CÃO ou MUNDO FALSO.

  • Jorge

    Ambíguos no desmanche do País!!
    Onde e quem são nossos líderes?
    Estamos órfãos de um grande estadista! Quem será nosso timoneiro? O País caminha sem rumo… Inflação, recessão, depressão é o que nos espera?

  • Frederico Farias

    E por que não terceirizam o povo brasileiro?

  • JEu

    Depois que a “vaca tossiu” (aqui sem segundas intenções), a casa do trabalhador brasileiro caiu. E nem precisou de um terremoto ao modo do NEPAL. Na época do collorido o povo era descamisado, agora acho que nem cuecas e calcinhas tem mais…. Que coisa!

  • janson

    Por quê o PMDB não sai do governo, já que vivem detonando o governo? Ah tá, já entendi.

  • Jugusta

    Tem de tudo por aqui. Aparece um insinuando que no tempo de Collor o povo ainda era melhor de vida do que hoje, depois do PT no governo. Em que mundo esse cara vive? O Brasil melhorou e foi muito. Isso incomoda os mandões do poder, pela sua incompetência e pelo descaso com que sempre trataram os mais pobres.