A retomada do tema Estaleiro Eisa Alagoas deve ser vista com muita cautela, principalmente pelo histórico do empreendimento em Alagoas.

Houve, sim, um momento em que o Grupo Synergy esteve bastante disposto a investir em terras caetés – no Pontal de Coruripe – para implantar o que pareceu ser o maior avanço no setor industrial no estado.

O empresário Gérman Efromovich não tardou a enxergar – nem com tantas “horas de voo” – que Alagoas é para profissionais.

O primeiro (e ridículo) parecer do Ibama, apontando para a “favelização” que seria provocada pelo Eisa foi o sinal que o negócio tinha inimigos poderosos por essas bandas.

Retardou-se o quanto se pode o início do empreendimento.

Agora, o quadro nacional é bem mais difícil: a Petrobras não vive seu melhor momento; o BNDES está sendo vigiado com mais cuidado, depois das operações com Eike Batista; e o próprio Grupo Synergy não parece animado a investir em território politicamente tão minado.

Ainda que apareçam tantos pais para um filho que era apontado como bastardo.

Muitos pais – para um filho bastardo.

Maurício Breda pode deixar a 17ª Vara Criminal
Nada do que Renan anunciou em junho foi aprovado para valer
  • WAL

    Me avise quando esta novela terminar…

  • Maria Cícera

    Os inimigos poderosos todos nós Alagoanos sabemos quem são. Agora com esse discurso de bom moço que eu não me engano, tá querendo enganar a quem? E esse negócio de filho bastardo também caiu por terra, principalmente quando a gente usa da consciência e dar a mão a palmatória e aponta o Pai da Criança que não é novidade nenhuma para aqueles que sabem realmente quem iniciou, lutou, acreditou nessa possibilidade e trouxe para o Gov. Téo de mão beijada e apresentou Gérman Efromovich para eles, que ninguém nem sonhava em conhecê-lo foi o esquecido João Caldas.

  • Há Lagoas

    Ricardo,
    Sei que você tem razão em sua argumentação, mais como a instalação deste empreendimento passa pelo crivo político, quem sabe não temos laudos “técnicos” que incrementem a viabilidade e consequente necessidade da construção deste estaleiro!
    É a chance de Alagoas demonstrar que sua desprestigiada classe política, pode ser unir quando o assunto é o desenvolvimento do Estado.
    Ou será que isso é sonhar demais?
    Como diz certo escritor paraibano: “me considero um realista esperançoso”.

  • Cacá

    Ricardo, mesmo na priomeira vez, era preciso que um banco privado avalizasse e não foi feito, o grupo, não tem como conseguir investimento, e ai, o BNDS não vai arrumar, em outras palavras o EISA não vai sair do papel, que pena, pois não existe dinheiro para financiar, agora, não é parecer ambiental e falta de dinheiro.

  • ô povo burro

    JA RENDEU ALGUNS VOTOS, E DEVE RENDER MAIS ALGUNS EM 2014. EM ALAGOAS SO ISSO JA VALE MAIS DO QUE NAVIOS E EMPREGOS

  • Rosita Cardoso Silva

    Se é do conhecimento de muitos já é tempo de alguém perder o medo e dizer os nomes dos inimigos de Alagoas. Ficam por ai fazendo curvas e escondendo do povo o que realmente acontece. Isso é muito chato.

  • Lula Melo

    Empreendimento totalmente “FANTASIOSO”. AO grupo Sinergy perdeu a licitação da Petrobras para a construção de plataformas; as estradas de Alagoas não comportam cargas para estaleiro, e nem o IBAMA liberaria a APA de Coruripe, além de que no local do dito estaleiro existe u gasoduto da Petrobras. Só inocente acredita nesse conto da carochinha.

  • Sara

    Há Lagoas,é sonhar demais,pq os políticos de Alagoas nunca se uniram pelo o bem do estado,fazem o contrário!E essa conversa do estaleiro,pode virar lenda,é lamentável!

  • Mano Lima

    O engraçado e que Elle agora e o pai da crianca, realizei um comentário negativo contra Elle no site da sua organização, e não publicaram, e muita cara de pau.

  • Zu Guimaraes

    Ricardo,
    Quando se fala em “favelização”, não se quer ridicularizar nada, mas observar um fenômeno chamado “indução ocupacional”, uma vez que um empreendimento de grande porte, quando é iniciado em uma determinada região, atrai sempre mais pessoas, em busca de empregos, do que os números reais de postos oferecidos, ficando grande parte da população, sem trabalho, sem casa, sem perspectivas, sem nada.
    E o que constrói, o povo nestas condições, em qualquer parte do país?
    Não há encomenda de projetos, para implantação de um estaleiro alagoano, em nenhum escritório de projetos industriais do planeta.

  • Luiz Paulo Sodré

    Meu caro amigo,tenho acompanhado seu programa de meio dia,e tenho observado que desde a notícia desse estaleiro,você resolveu se manifestar e apresentar o que pensa do mesmo,embora não seja do perfil do jornalista,vejo que nesse caso,justo nesse caso,tem insistido, a fazer comentários negativos sobre essa industria,ainda não entendi o propósito,mas na minha humilde opinião,considero de muito mau gosto o negativismo empregado,as pessoas precisam acreditar,até dar errado,se não tem nada prá acrescentar positivamente,não atrapalhe,não,que sua opinião vá mudar o destino de Alagoas,embora grande formador de opinião,não tem poder de mudar o curso do rio,a não ser que tenha alguma informação privilegiada,que nós,simples leitores,não dispomos,mas se quiser continuar, no tema,com esse pessimismo,comece, dando nome aos bois, deixe a gente saber,porque esse navio afundou,o mundo continua,senão, a fabricar navios e plataformas, a conserta-los, e reforma-los,e isso não é feito em oficina mecânica,enfim estaleiro,não só fabrica navios e
    plataformas,mas se quer enveredar por essas áreas,comece a comentar e escrever sobre o canal do sertão,a mineradora Vale Verde, a Brasquem, a Bauducco, a Jaraguá,e em breve a Porto
    Belo,era tudo um sonho,e hoje é realidade,porque um dia, alguém
    acreditou,mas talvez o melhor mesmo,seja voltarmos a política,falar dos taturanas,rodoleiros,navalha,gabirus,
    esse sim é um tema que nunca prosperou,e sabemos que não vai prosperar,quanto ao estaleiro,quem sabe acontece,é igual o Atlético:eu acredito,o jogo ainda não acabou.

  • PêCê

    RICARDO, ALAGOAS É O ESTADO MAIS MISERÁVEL DA NAÇÃO, E ENQUANTO HOUVER POLÍTICOS, QUE SEMPRE HAVERÁ, COMO OS NOSSOS, VAMOS SER PRA SEMPRE…
    …MISERÁVEIS.
    ALAGOAS, TERRA DOS “MARECHAIS”?
    NÃO, ALAGOAS, TERRA DOS CORONÉIS.

  • maria jose rodrigues

    ESTE ESTALEIRO E MUITO PARECIDO COM A LICITAÇAO DOS ONIBUS DE MACEIO NAO VAI SAIR NUNCA.

  • sebastiaoiguatemyrcadenacordeiro

    ALAGOAS TEM TANTOS BASTARDOS , QUE
    MEUS OLHOS CANSARAM DE OLHAR…
    BANDIDAGEM É A TÔNICA DA TERRA,
    ENTRE AS SOMBRAS DE SEUS IMPUNES
    RÉUS… AI,AI…QUE PESAR,AI QUE DOR;
    VIVER…DENTRO DE MACEIÓ…

  • Gomes

    PARABENS Paulo Sodre, por suas BRILHANTES COLOCAÇOES. SEI DA GRANDE INTELIGENCIA DO GRADIOSO JORNALISTA RICARDO MOTA. MAIS INDEPENDENTE DE VIR OU NAO O ESTALEIRO EISA, PELO AO MENOS SONHAMOS COM TAL EMPRENDIMENTO.

  • Carlos Carneiro

    ôpa o estaleiro só tem um pai: TEOTONIO VILELA FILHO.