Os números são impressionantes: mais de 10 mil LPs; 8 mil CDs; 8 mil discos de  78 rotações. Tudo isso catalogado, em ordem alfabética, compõe o acervo que o radialista, escritor e compositor Edécio Lopes conseguiu formar ao longo de mais de 50 anos de carreira. Reúne algumas preciosidades, raridades da música brasileira e dos clássicos. Essa herança, defendem os filhos do radialista que morreu em janeiro passado, deve ficar à disposição do público, principalmente para os pesquisadores, estudantes etc. Ednaldo Lopes, o Dinho, disse ao blog que a família não pretende vender aquilo que se tornou "uma das marcas" do seu pai junto ao público. “Nossa intenção é entregar o acervo para uma instituição que assuma, formalmente, o compromisso de preservá-lo e facultá-lo às pessoas que pretendem conhecê-lo, ou utilizá-lo em pesquisas sobre música, por exemplo”. E a família não tem preferência: pode ser a Rádio Difusora, o Misa (Museu da Imagem e do Som), ou a Fundação Cultural Cidade de Maceió. “Nossa única exigência é que os objetos, o que inclui um pequeno estúdio de gravação, fiquem num espaço que seja identificado com o nome do meu pai. Afinal, vai ficar ali uma parte fundamental da vida e obra de Edécio Lopes.”

Relatório comprova existência de central "grampos" do crime organizado
Prefeitura vê "cavalgada eleitoreira" em declarações de Wanderley
  • Eduarda

    HONRA,DIGNIDADE E MORAL SÃO PRA POUCOS.

  • Hagá

    Ricardo, a gente percebe quando as pessoas são de bem, pela seriedade no trabalho e pela generosidade que seus herdeiros demonstram. O ideal seria que o acervo ficasse no MISA, mas me pergunto: o que o MISA tem feito pelos alagoanos? É possível visitá-lo e ver e ouvir registros?

  • Marcel

    Que alívio, quando Edécio faleceu, além da dor da perda, senti uma profunda tristeza por não ter conhecido seu acervo, já sei que posso ficar esperançoso. Abraço!

  • Marcos

    Pelo amor de Deus NÃO entreguem a NENHUM ÓRGÃO PUBLICO, seja radio ou o diabo que o valha, pois com certeza o patrimonio irá ser depreciado ou surrupiado. Disso não tenham duvidas.É um apelo que faço aos queridos filhos do inesquecível Edecio Lopes.

  • pedro

    Não vejo responsabilidade nos orgãos públicos para manter um acervo desse, espero que isso não ocorra.

  • Gilvan Mata

    Edécio Lopes, Era um homem do bem. Deixam-nos com muitas saudades as manhãs brasileiras. Que seu acervo seja guardado como uma lembrança eterna.

  • Celso

    Por que não se criar a Fundação Edécio Lopes? Pessoas jurídicas e físicas participariam e a manteriam. É possível. Não podemos correr o risco de um diretor nomeado por não sei quem considerar os bolachões “coisas velhas” e desprezá-los.

  • sergio

    Ao cidadão Marcos. Ao que me consta o Arquivo Publíco de AL é um órgão publico, e eu nunca soube que as funcionarias, roubaram livros ou objetos de lá. O acervo do Dr., em Brasil, Edecio, deve ser público, pois o que é privado só tem um dono. Edecio é povo. Bom não confindir.

  • sergio

    Aliás, quando se rouba na empresa privada, ninguen sabe, ninguem vê. Posso citar aqui vários homens públicos, que não encontro similar no ramo privado: Dr. Ib Gatto, Dr. Wanderley, Dr. Dilton, Dr. Ednaldo Marques, Camucé, Sergio Moreira. E agora Edécio, pós-morte. Viva o público!

  • Boca do inferno

    Pobre Alagoas, em tempos tão ruins como esses ainda temos a desgraça de perder um homem tão culto como Edecio.Quanto ao acervo concordo com o Marcos, se deixarem com o Estado é colocar no lixo.

  • Paulo Mota

    Precisa prender logo o he-man. Vai até federal em cana!

  • pedrão

    Nós alagoanos precisamos conhecê-lo. Entregar ao Estado não é uma boa. abraços perão

  • Itajaci Machado

    O acervo deveria ficar com a instituição que contar com profissionais da area de arquivologia ou biblioteconomia e é necessário verba para higienização e arquivamento,é bom uma fundação do nível da Fundação Joaquim Nabuco em PE

  • Fernando Carvalho

    Concordo com o comentário do leitor Sérgio. Acho que o acervo deve ficar no Arquivo Público, principalmente agora que está sendo dirigido por um profissional de respeito, o Prof. Geraldo Filho e ligado ao Dr. Álvaro Machado, da Casa Civil, aliás, outro homem público exemplar de nosso Estado.

  • Pedra e lua

    Um acervo desses requer todo um aparato de tratamento(limpeza,climatização) e praisso precisa de dinheiro não é pq é doado que não tem custo tem e muito, deve ficar com quem puder assumir de forma decente, pois é riquíssimo pra ser jogado ás traças.

  • Moura

    Todo o acervo deve ficar sob resposabilidade de uma ONG, que tratará a obra com mais cuidade e mais responsabilidade. Por que o MISA não divulga o horário de atendimento ao público? Por que museus em Maceió não abrem nos feriados, Sab e Domingos?

  • liz

    Acervo+estado+acervo-estado= bagunça. Vai nessa de colocar acervo do Edecio para o Estado tomar conta não que vai virar bagunça.