Vazamento foi divulgado por site especializado (Foto: Reprodução/Coinwire)

Se você usa um computador ou até mesmo um smartphone deve ter a noção de que 245 GB (gigabytes) é muita coisa. Agora imagine esse “tamanho” todo em dados de clientes de um único banco, vazados na internet. Fotos de RG, CNH, CPF e comprovantes de renda e residência – cerca de 1,2 milhão de arquivos – disponíveis na internet. Assustador, não é?

Pois é exatamente isso que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDDFT) está investigando no Banco Pan (antigo PanAmericano), depois que o site The Hack revelou um vazamento em uma espécie de servidor na nuvem do S3 (Simple Storage Service), de propriedade da Amazon. Além dos documentos pessoais e de identificação, o MPDFT diz ter recebido contratos de financiamentos, solicitações de saques e extratos bancários dos clientes.

Milhões de documentos foram expostos (Foto: Reprodução/The Hack)

Um inquérito civil público foi aberto para investigar o que pode ser classificado, de acordo com o MPDFT, como “o maior incidente de segurança envolvendo dados financeiros do Brasil”. A investigação será feita pela Unidade Especial de Proteção de Dados Pessoais e Inteligência Artificial (Espec), e o Banco Central e a Comissão de Valores Mobiliários foram notificados.

Banco Pan nega vazamento

Em nota ao site Convergência Digital, o Banco Pan afirmou que o servidor na nuvem investigado pelo MPDFT “não é de sua propriedade”, e que “após análise criteriosa em seus sistemas de segurança, não foi constatada qualquer invasão”.

Fonte: Tecnoblog

Atualmente não há comentários.