Se você administra algum grupo de WhatsApp, aqui vai um aviso: quando rolar alguma briga entre os integrantes, faça de tudo para encerrar a confusão ou você pode terminar sendo processado. É isso mesmo que você leu: além de tomar todo o seu tempo, agora o WhatsApp pode também custar seu dinheiro.

A treta saiu da web para os tribunais (Foto: freestocks.org/Pexels)

Uma mulher foi condenada pela Justiça de São Paulo a pagar R$ 3 mil por não ter agido para interromper uma discussão entre dois membros de um grupo que ela criou (e era administradora). Segundo o IDGNow, o grupo foi criado em 2014 para para que os integrantes combinassem de assistir aos jogos da Copa do Mundo. A briga ocorreu também em 2014.

A administradora nem sequer participou da treta, mas segundo a decisão judicial, “poderia ter removido os autores das ofensas, mas não o fez”. Para o juiz do caso, a mulher ainda se divertiu com a situação “por meio de emojis de sorrisos”.

Ações virtuais às vezes tem consequências reais (Foto: Reprodução/HuffPost)

Mas e a briga? Bom, não há muitas informações, mas a vítima – na época, com apenas 15 anos – entrou com o processo após ter sido ofendida por outro integrante. Para ela, o grupo deveria ter sido desfeito naquele momento, para evitar que o problema continuasse. Os autores das ofensas também foram processados.

A mensagem que vale destacar aqui é: a Justiça tem levado a sério cada vez mais este tipo de processo, então é preciso tomar cuidado com a netiqueta (boas maneiras na web), principalmente se você é administrador do grupo. A justificativa de que “não foi com você” não é mais suficiente, e isso está sendo visto em todos os casos de crimes virtuais, incluindo o cyberbullying. Zelar pela integridade e bem estar do próximo, mesmo que o próximo esteja longe, é fundamental.


Você já presenciou brigas em algum grupo que você administra? Fez alguma coisa pra encerrar a discussão? Fala nos comentários!

  • Paulinha

    Eu estou sendo severamente ofendida em um grupo

    • Bruno Felix

      Paulinha, o ideal é que você faça prints das ofensas e procure a delegacia para prestar queixa. Se em sua cidade tiver uma delegacia de crimes virtuais, melhor ainda.

  • Paulinha

    Como devo agir?