Gratidão, melhor sabor
Margaridinhas sem glúten, vício bom

O filé é alto, temperado na simplicidade do sal, e com a textura da carne no ponto certo. Para dar ainda mais sabor, entra em cena o molho de mel de engenho, que, para minha grata surpresa, não ficou doce. Para completar a seleção nordestina da receita, o purê de macaxeira, que é show de bola. Batizado de Filé Nordestino, a iguaria integra o time das novas comidinhas do restaurante Fateixa do Hotel Ponta Verde do Francês, assinado pelas  chefs consultoras, Mariana Bernardes e Flávia Soares.

Ficar hospedado no Ponta Verde Praia do Francês para paquerar o mar azul da cor do céu já é bom. Agora as comidinhas bem elaboradas e atraentes ao paladar se tornaram mais um motivo para curtir a praia famosa da cidade Marechal Deodoro. O cardápio elaborado pelas chefs tem as tradições das comidas da praia e lagoa, mas com novas pegadas.

Praia do Francês sem barracas para contemplar, uma das praias mais bonita de Alagoas

Veja o que amei do restaurante Fateixa (ancora artesanal da Jangada) do Francês:

Caldinho de feijão para começar bem o dia no Hotel Ponta Verde Praia do Francês

Para começar – A seleção de entradinhas ou para petiscar na piscina com a melhor vista da Praia do Francês, começa com o caldinho de feijão com ovo de codorna. A carne é triturada junto com feijão e, para finalizar a tradição brasileira, são adicionados minis bacons crocantes.

Espetinho natural com queijo coalho, banana , legumes, farofa e vinagre. Show de bola

Nos temos bananas – O clássico espetinho e o queijo coalho grelhada da praia, ganhara uma versão vegetariana, e das boas: a banana da terra vem intercalada com o queijo, legumes e, claro, a farofinha na manteiga e vinagrete feito com esmero na cozinha do hotel. Pode ter certeza de que é para comer mais de um.

Pastel de camarão com gostinho de quero mais

Sabor de casa: O pastel de camarão é perfeito. Recheado com o crustáceo em pedaços no caldinho do próprio camarão, é impossível comer apenas um. Tem sabor familiar.

Casamento pra toda vida: dadinho de tapioca com mel de engenho picante

Mel – Tem petisco que é para casar, que fica maravilhoso junto, como é o caso do dadinho de tapioca com molho de mel de engenho misturado na geleia de pimenta. Danado de bom.

Para compartilhar: Camarão a jangadeiro

Clássico –   O camarão à jangadeiros é empanado com a farinha panko (farinha japonesa) queijo e geleia de manga.

Cordeiro com farofa de cuscuz

Farofada – O cordeiro, de carne macia, é bem temperado, e vem agraciado ao molho de vinho tinto e farofa de cuscuz.

Moqueca de peixe com banana da terra e pirão dos bons

Compartilhar – A moqueca de peixe da tapera merece atenção para o pirão. É de comer sozinho. O peixe é o filé do dia, e a banana da terra é presença marcante na tradição.

Melhor jangada doce com casca de pastel, sorvete de tapioca e calda de goiabada

Doces: Para adoçar a vida, a sobremesa jangada (com sorvete de tapioca e calda de goiabada) na minha opinião é a melhor. O sorvete tem casquinha crocante de pastel em formato de jangada, e a calda de goiaba faz um casamento perfeito.

Cocada na quenga de coco

Quenga – A tradicional cocada vem na “quenga” do coco. Para quem ama pudim, tem o clássico.

Pizza, simplicidade com sabor do Ponta Verde Francês

Massa – A pizza é uma ótima opção para noite. Com certeza a criançada, assim como eu, porque ainda tenho alma de menina, vai amar a massa leve e recheios tradicionais. Simples e saborosa. Pode investir.

Os irmãos Ana Laura e Mauro Vasconcelos com as chefs consultoras Flávia Soares e Mariana Bernades

História – Os bordados de filé, labirinto e singeleza, tão bem tramados pelas mãos das mulheres da cidade de Marechal Deodoro, dão graça e beleza ao Ponta Verde Praia do Francês. Desde 19 de janeiro de 2013, o hotel vem marcando um novo tempo no turismo do Litoral Sul, atraindo turistas para a Praia do Francês, com seu mar azul-turquesa, e para a cidade do primeiro presidente da República, Marechal Deodoro.

Equipe nota 10 da cozinha do Ponta Verde Francês com os irmãos Vasconcelos

O Hotel Ponta Verde Praia do Francês é surpreendente. Lá vivenciamos a alma cultural de Marechal Deodoro em cada centímetro do hotel, que tem projeto da arquiteta Júlia Tavares. Ela bem soube fazer a leitura da cidade histórica para o empreendimento da família Vasconcelos (leia-se  Mauro, Maurinho e Ana Laura Vasconcelos).

O bar batizado de Rabeca, uma homenagem à musicalidade do seu Nelson da Rabeca

A arquiteta Julia Tavares contou com o apoio da historiadora Carmen Dantas e arregimentou artistas plásticos e artesãos alagoanos, que trouxeram para o hotel as tradições, histórias e cultura de Marechal Deodoro, atiçando nosso imaginário para emergir na cidade. Logo na recepção, além das telas de bordados, a prensa de casa de farinha já aposentada pelo tempo transformou-se num jardim de ervas.

Os bordados de filé, labirinto e singeleza na recepção do hotel

Ainda na recepção, a artista plástica Rosa Piatti, com sua arte contemporânea, retratou dona Marinita bordando o bico singeleza, que quase era extinto de Marechal Deodoro. Mas coube a esta senhora, com mais 80 anos, repassar o seu saber para outras mulheres, através de oficinas em Marechal Deodoro no projeto premiado das arquitetas Josemary Ferrare e Adriana Guimarães.

O Cristo em papel machê tem assinatura do artista Persivaldo Figueirôa, arte contemporânea. Já as luminárias de teto desenhadas pela arquiteta Júlia Tavares ganharam vida pelas mãos do artesão Zé das Cestas, que usou cipó. Mas também tem as luminárias de cerâmica de Maria Amélia Vieira.

Ilustrações de Paulo Caldas indicam os banheiros feminino e masculino

Nos apartamentos, além da preocupação com o bem-estar dos hóspedes, também tem arte, a exemplo das telas que rementem às janelas do Brasil colonial em Marechal Deodoro, uma criação de Rosa Piatti e Ambrósio. Para os banheiros, o artista alagoano Paulo Caldas trouxe o painel colorido dos chapéus de guerreiro, rainha e Mateus, do folguedo alagoano. Telas de Dalton Costa, com sua linguagem contemporânea, embelezam os corredores do hotel.

Janelas dos casarios de Marechal Deodoro decoram todos os apartamentos do Ponta Verde Praia do Francês

O bar e restaurante batizado de Rabeca, que tem uma bela visão da praia do Francês, é uma homenagem à musicalidade do alagoano mais famoso de Marechal Deodoro, seu Nelson da Rabeca. Na parede estão expostas as rabecas fabricadas pelo músico.

Destaque também para a banda de pífanos pintada por Paulo Caldas, boas lembranças da música tradicional de Marechal Deodoro, com suas doces flautas. Nos banheiros destacam-se as tartarugas de madeira do artesão Pica-pau e os detalhes de taipa presentes no hotel frutos da arte de Nando das Taipas.

Praça adotada pelo hotel Ponta Verde Praia do Francês

O hotel Ponta Verde Praia do Francês não oferece apenas conforto nos apartamentos, boa cama, janelas e portas à prova de qualquer barulho, TVs modernas. O hotel vai muito além, tem a identidade cultural de Marechal Deodoro, o que faz a diferença num mercado tão concorrido, certificando que Alagoas é uma referência na hotelaria.

Tartarugas de madeira do artesão Pica-pau

Rota Hotel Ponta Verde Francês

Entradas R$ 12 a R$ 62/ Pratos principais R$ 36 a R$ 92 (esse é o valor da moqueca da tapera, que serve 2 pessoas)/ Aceita-se cartões

Funciona todos os dias: Almoços das 12h30 até as 16h/ jantar 18h30 às 22h30

 R. das Algas, 300 – Praia do Francês, Marechal Deodoro – (82) 3263.6100

Melhor coisa é acordar na bela praia do Francês com delicioso café da manhã do Hotel Ponta Verde Francês