Tendências da construção civil para 2019 – Habite-se

Quando pensamos sobre o ano de 2018 no Brasil, podemos verificar dois opostos. Foram 365 dias bastante agitados na política. Já na economia, foi um ano devagar, quase parando. Assim, é possível que você esteja se perguntando quais as tendências da construção civil para 2019, certo?

Pois saiba que as perspectivas indicam uma inversão em 2019. A indústria da construção tem um olhar otimista com relação ao novo governo. Assim, espera, finalmente, a volta dos investimentos, especialmente a partir do segundo trimestre. Seria a tão aguardada retomada da construção civil!

A confiança dos empresários da construção civil aumentou gradativamente ao longo de 2018, sobretudo no último trimestre.

O Índice de Confiança da Construção (ICST) calculado pela FGV/IBRE era de 80,3 em setembro. Subiu para 81,8 no mês seguinte e chegou a 84,7 em novembro . Este é o maior nível atingido pelo índice desde janeiro de 2015.

Outro dado positivo do estudo da FGV/IBRE é a capacidade de produção da indústria da construção. Pela terceira vez consecutiva, a utilização da capacidade instalada cresceu 3,5 pontos percentuais e chegou a 65,6%.

Redução de estoques

Enquanto a construção civil apresenta queda em suas atividades desde 2014, o mercado imobiliário registrou aumento do número de lançamentos e incremento das vendas em 2018.

“Houve uma redução do estoque, o que dá uma perspectiva positiva. É o momento de reação do mercado, de gerar mais empreendimentos”, diz a economista Ieda Vasconcelos, da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Os indicadores nacionais do mercado imobiliário da CBIC também são positivos. Eles mostram que os lançamentos residenciais cresceram 30,1% no terceiro trimestre de 2018, em relação ao mesmo período de 2017. As vendas, por sua vez, registraram aumento de 23,1%.

Com relação às vendas, foram 118,4 mil unidades escoadas no acumulado em 12 meses encerrado em setembro de 2018. Isso contra 93,5 mil unidades nos 12 meses anteriores a esse período.

Cenário alagoano

Em Alagoas o cenário não é diferente. Lembro quando líamos, há cerca de 3 anos atrás, estudiosos e especialistas do setor prevendo que a retomada do setor se daria em meados de 2019. Na época, o otimismo nos levava a crer que essa previsão era muito conservadora e que o mercado reagiria antes, porém tudo leva a crer que eles estavam certos.

O último trimestre de 2018 foi marcado por diversos lançamentos de construtoras alagoanas que voltaram a acreditar no mercado e entenderam que o mercado começou a reagir, inclusive já existindo uma falta de alguns perfis de imóveis.

Com o reaquecimento do mercado a tendência é que as margens de descontos que vinham sendo praticadas em imóveis novos e usados diminuam e em seguida os preços voltem a subir, assim como aconteceu em outras crises históricas superadas pelo setor.

Participe do Habite-se!

 

 

Fonte: Buildin

 

Atualmente não há comentários.