Infidelidade financeira. Você é fiel? – É da Sua Conta

Quem aí nunca gastou dinheiro sem o consentimento do companheiro?   A maioria das pessoas já fez isso pelo menos uma vez na vida. Inclusive eu!!

Sabe aquela ida ao shopping que era só pra pagar as contas e você acabou comprando dois pares de sapato numa promoção? É claro que você não contou pro parceiro ou parceira, porque ia ter briga, sermão, reclamações de que você é muito consumista, enfim… Acontece.

Omitir um fato assim, por si só,  não vai acabar com o seu casamento. O problema é quando essa “mentirinha” se torna um hábito.  A infidelidade financeira pode colocar em risco o relacionamento e também as finanças do casal quando o problema vier à tona. E nessa hora vão sobrar acusações, diálogos esquentados sobre dinheiro e tudo mais.

Um dia desses um amigo me disse que estava sem falar com a esposa porque ela tinha usado o cartão de crédito para fazer uma compra alta sem avisá-lo.  Ele só descobriu quando chegou a fatura no final do mês. O susto foi grande, pois ele não tinha se planejado para pagar essa despesa extra.

De fato as pessoas têm necessidades e vontades diferentes, mas num casamento é necessário domar muitos impulsos, pois o que está em jogo é a saúde financeira do casal.  Não me parece muito justo uma pessoa se sacrificar (deixar de lado seus desejos e vontades financeiras) enquanto o seu parceiro gasta à vontade, sem pensar no bem comum. O esforço deve ser em conjunto, afinal os dois vão usufruir do que conquistarem ao longo da vida a dois.

A infidelidade financeira costuma acontecer quando não há um diálogo aberto entre o casal, quando um dos dois deixa de falar sobre seus sonhos, dos seus planos e passar a ir atrás deles sozinho. Daí, a pessoa começa a esconder as compras que faz, não diz o quanto ganha por mês, mente sobre dívidas e insiste em gerir as contas da casa sozinho. Esses são alguns sinais de alerta.

O que fazer?

O ideal é fazer um planejamento financeiro junto com o parceiro ou parceira para que juntos possam tomar as melhores decisões com relação ao uso do dinheiro. Isso não significa que você tenha que prestar contas de tudo o que faz ou compra, mas é preciso ter em mente as consequências de seus atos. Vou dar um exemplo: você não vai gastar dinheiro numa compra supérflua, sem necessidade, sabendo que vai falta dinheiro para pagar a conta de luz, o aluguel ou mesmo o cartão de crédito, não é mesmo?

Todos nós cometemos erros, mas é preciso bom senso. O casal precisa ter uma relação de confiança e conversar sobre o que cada um acredita, quer e espera do futuro…  Sem esse diálogo aberto e verdadeiro, podem surgir inúmeros obstáculos e brigas que, de pouquinho em pouquinho, podem acabar minando o seu relacionamento.

  • Sérgio

    No meu casamento as contas, cartões de crédito, investimentos e outros compartilhados, temos controle das receitas, e planejamento financeiro. Geralmente nossas compras são em conjunto e decididas em comum acordo.

  • Ricardo Marinho

    Atribua a ela/e uma certa mesada.
    E “dê” outra mesada de igual valor a você .
    Assim cada um terá autonomia para usar a grana com gastos pessoais, sem que o outro/a implique.

    P.S: as mesada devem ser em dinheiro. Nada de usar o cartão de crédito.
    Quer comprar parcelado? Esqueça o cartão. Junte o dinheiro necessário e pague a vista. Com desconto😉