Castigo e pragmatismo no empate do CSA e equilíbrio e susto na vitória do CRB – Blog do Marlon
CRB cai para o Fortaleza na Copa do Nordeste; CSA massacra o CEO no Alagoano
Novo CSA deixa boa impressão em primeira observação

CRB vence o ASA no Rei Pelé na individualidade de alguns jogadores – Foto: gustavo Henrique – ASCOM CRB

Em competições diferentes, CSA e CRB estiveram em campo no final de semana. No sábado, o CRB enfrentou o ASA pelo Alagoano e venceu por 2 a 1 em um jogo equílibrado e apertado no primeiro compromisso do Galo na temporada, o time demonstrou falhas e problemas comuns no início da temporada diante de um ASA que fez sua melhor partida na temporada, mas que pela pressão absurda do futebol brasileiro, acabou demitindo o técnico Lorival Santos com um mês de trabalho.

CSA sofreu o castigo após abdicar de jogar mesmo tendo mais qualidade que o Trese – Foto: Augusto Oliveira – ASCOM CSA

No domingo foi a vez do CSA estrear pela Copa do Nordeste. O time azulino não passou de um empate jogando contra o Treze, resultado este que o time azulino saiu na frente, mas amargou
um empate nos momentos finais graças ao pragmatismo do técnico Mozart. Com a vantagem ele fez trocas que sinalizou que o time do CSA abdicaria de contra ataque. O técnico do Treze, Marcelinho Paraíba foi ousado, solou o time e foi premiado com um gol já aos 441 minutos.

CRB x ASA- Galo apresenta virtudes e defeitos contra o ‘melhor’ ASA na temporada

Galo apostou na mudança de posicionaento, sem mudar peças no tempo final: REginaldo vira extremo direto – Imagem: Tatical Pad – Marlon Araújo

O Jogo iniciou com um primeiro tempo sem emoção e pouca inspiração ofensiva . CRB com uma mecânica de extremos flutuando para o centro e amplitude com os laterais Romão e Reginaldo Lopes , detalhe ficava por conta de Hyuri um falso extremo direito. Lorival Santos respondia com extremos Dinda e Thiago Potiguar marcando os laterais. A linha de 4 bem fixa na linha da grande área, bem compactada, sem ofertar espaços para infiltrações do time regatiano

O segundo tempo CRB trouxe uma mudança de posicionamento sem a necessidade da troca de peças. Jimenez foi atuar de lateral e Reginaldo Lopes de extremo direito , recuando Diego Torres como um segundo volante e Hyuri centralizava como um ( 10) para dialogar com Lucão . Galo no 4-2-4 precisou de 2 minutos para abrir o placar com o incisivo Reginaldo Lopes e coroando a mudança de posicionamento da 2ª etapa.

Quando o Asa começou ganhar o meio campo , após saída do apagado Echeverria e a centralização de Thiago Potiguar e entrada de Erivan , Roberto Fernandes preparava o reposicionamento para o 4-3-3 , veio o gol de Martony após bola parada lateral batida por Potiguar. De forma infantil o treinador regateano foi expulso e não fez as substituiçoes e assistiu o Asa criar chances da virada e desperdiçar. Quem não faz leva e assim que Regis acabara de entrar, fez a jogada de atrair a mrcação e colocou na cabeça de Hyuri, que cabeçeou firme e colocou o Galo na frente assegurando a primeira vitória em campo no Alagoano.

Melhor treinador – Lorival Santos
Melhor jogador – Hyuri
Garçon – Thiago Potiguar .
Quem não entrou em campo – Echeverria.

CSA 1 x 1 Treze- PB – empate premiou a coragem e ousadia de Marcelinho Paraíba e castigou o pragmatismo de Mozart Santos.

Com 3 volantes no meio-campo, CSA sinalizou que abdicou de jogar e amargou o empate no final – Imagem: Tatical Pad – Marlon Araújo

O Galo da borborema trouxe um modelo altamente defensivo e em bloco baixo dificultou toda mecânica ofensiva do time azulino . O 1º tempo foi pobre em todos os aspectos e sem nenhuma emoção . O 2º tempo inicia com Jaivinho finalizando aos 30s do jogo para Thiago Rodrigues fazer a a defesa . O CSA respondeu com o Volante Geovanne fazendo um passe de ruptura das linhas de defesa adversária , e encontrando Norberto no corredor lateral , ele faz um passe perfeito para Delatorre balançar as redes aos 3 minutos da segunda etapa.

O Treze mesmo sofrendo o gol não se lançou ao ataque de imediato , porém aos 20 minutos Marcelinho troca peças e adianta o time que agora tinha um 4- 3-3 sendo que trouxe um meia canhoto de lateral Emerson 16 , Ancelmo 17 meia como extremo direito , João Leonardo 20 de centroavante e Rogério 18 como extremo direito. O meia Kleiton Domingues veio jogar na articulação e assim, a equipe paraibana cresceu no jogo. O CSA aos 32 minutos fez duas trocas , Nadson e Pimpão por Marquinhos e Wallace . Mozart passou um fedback claro de administrar resultado fazendo três volantes no corredor central e baixando as linhas. O time abdicava de contra-atacar e sentava na vantagem mínima. A bola pune e puniu a falta de apetite ofensivo do time azulino, premiando o acreditar do time paraibano. Aos 42 minutos, João Leonardo faz o gol do empate . Sofrendo o gol o time azulino acorda e demonstra claramente a superioridade técnica , pressionando bastante deixando os minutos finais com um pouco mais de emoção. Mas ao final, o CSA amargou uma estreia na Copa Nordeste sem conseguir uma vitória em casa.

Craque – Delattorre
Garçon – Noberto
Melhor técnico- Mozart Santos

  • Luiz R S Filho

    Marlon e Amigos…..embora inicio de temporada onde ainda não há um melhor entrosamento com os novos contratados, esse empate do AZULÃO, na minha opinião, é uma derrota. A equipe com 07 jogadores escalados que há 30 dias estavam numa Série B, onde tiveram descanso e depois treinamento intensivo e com o todo respeito ao TREZE da PB, tinha a obrigação de vencer o jogo. Acomodação com o placar de 1×0 favorável e desatenção no sistema defensivo.

  • um ALAGOANO

    Não entendi nada sobre a demissão do técnico do Asa, mas a diretoria queria que ele vencesse o CRB aqui em Maceió? A diferença de elenco não foi levado em conta pelo jeito, incrível como nossos dirigentes são sem noção mesmo, o Asa fez até um jogo bacana e mostrou que tem futuro.

  • ROBERTO BAUER

    13 E GALO ESSE FOI O PROBLEMA DO CSA

  • André

    Não dá para entender que um time no nível do CSA tenha treinadores retranqueiros. Como se garantir por um placar pobre de 1X0. Aí quando leva o empate ou virada, quer modificar o esquema, mas já é tarde. O CSA só não voltou para a série A, por que foi medroso e retranqueiro. CSA e o CRB tem que se impor, tanto em casa, como fora.