CSA vence o Vitória apresentando um manual de como jogar de maneira reativa – Blog do Marlon
CRB conseguiu uma vitória na qualidade do momento de finalização
Em jogo que Cabo e Lisca procuraram a vitória, CRB e América fizeram um bom jogo sem gols

Paulo Sérgio foi o autor do gol azulino na vitória em Salvador – Foto: Pietro Carpi/ECV

O CSA conseguiu sua terceira vitória seguida na Série B. Isso ainda não havia acontecido na temporada inteira. Ao derrotar o Vitória por 1 a 0, o CSA assegurou o segundo jogo na Série B sem tomar gols. O outro jogo ainda foi com Eduardo Baptista na estreia contra o Guarani.
Isto tem mérito de Mozart Santos que de quebra proporcionou ao CSA a primeira vitória azulina sobre o Vitória em solo baiano, quebrou invencibilidade rubro-negra e definitivamente passa um feedback que encontrou o modelo, encontrou a formula de jogar, que o os jogadores assimilaram esta maneira de atuar. Com isso, o CSA consegue uma vitória expressiva que mostra para competição que o CSA vai brigar na parte de cima da tabela e não na parte de baixo como estava até bem pouco tempo.
O azulino mais otimista não imaginava que o quando observasse os adversários Cruzeiro, Juventude e Vitória, o time conseguisse somar nove pontos.

O jogo tático

Csa compactado e direcionando o adversário a jogar pelos lados ofertando apenas a chance de cruzamentos, onde Castan e Cleberson somados aos volantes e lateral do lado contrário , foram perfeitos defensivamente . – Imagem: Tatical Pad – Marlon Araújo

Mozart Santos trouxe para o CSA um futebol reativo. O time azulino trouxe um manual do futebol reativo, CSA sem a bola compactação, estreitamento, agressividade pressão no portador de bola dentro do seu campo e pouca troca de passe até o momento de finalizar. Era um time altamente vertical, CSA não circulava a bola para atacar ao roubar a bola, o CSA não circulava a bola, tinha única e exclusivamente uma rapidez para finalizar, uma rapidez para chegar no alvo e assim fez um primeiro tempo muito interessante. Aos doze minutos, Yago aciona o Paulo Sérgio que passa pelo goleiro e perde o ângulo, e neste momento tem a sagacidade do atacante, ele ajeita o corpo como se fosse voltar a bola para o meio da área para alguém que se apresentasse com maior ângulo, mas consegue com pouco ângulo, fazer uma curva na bola, deita o pé, parte interna do pé, surpreende o goleiro Ronaldo, os zagueiros: CSA na frente 1 a 0 com Paulo Sérgio.
O time azulino fazia uma mecânica de povoar o corredor central e oferecer o corredor lateral. É um espaço direcionado, ele faz com a equipe adversário circule mas que termine pelo lado e pelo lado só resta uma jogada: bola para grande área e nesta condição, o time azulino estava muito bem estabelecido com os dois zagueiros ganhando todos os duelos de bola área e quando está bola passava, ainda tinha o Márcio Araújo, o Geovani e o lateral do lado contrário do cruzamento e assim o CSA ainda conseguiu algumas chances principalmente com Paulo Sérgio. Pedro Júnior fez um jogo muito tático e tinha a incumbência de marcar o apoio do lateral. Este posicionamento não dava ao CSA a condição de trabalhar a bola, esperar o espaço para o Pedro Júnior infiltrar. O time tinha a mecânica de ao roubar, dar três, quatro toques e já finalizar. E assim, o CSA com apenas 32% de posse de bola finalizou o mesmo número de vezes que o Vitória, porém a equipe finalizou duas vezes no alvo, uma com o gol do Paulo Sérgio e outra em uma tentativa do Pimpão e o Vitória só finalizou uma com Alisson Farias.
No segundo tempo, a posse foi ainda maior do Vitória: 73 contra 27%. Vencendo o jogo, o CSA ficou ainda mais reativo e não teve mais as oportunidades criadas no primeiro tempo, muito porque os quatro homens de terço final de campo, Pimão, Yago, Pedro Junior e Paulo Sérgio de tanto que marcam, baixam a linha, atacam, se desgastam mais e foram estas as quatro substituições feitas , substituições estás pontuais, que deram ao CSA maior condição física. O CSA não sofreu sustos, tirando dois lances: uma cabeçada do João Vitor, que o Castán salvou na linha e outra do Léo Ceará que passou rente a trave. O restante foi o duelo de cobrança de falta com Carleto cobrando e Matheus Mendes encaixando todas, nem rebote dava.
Assim o CSA com muita competência tática, equilíbrio e sabendo sofrer em alguns momentos com pressão de posse, de volume, não de grandes chances, que a equipe assegurou o resultado. Cleberson e Castán fizeram uma partida bem acima da média. Não perderam um duelo. Para ser correto, a única vez que isso aconteceu foi aos 38 minuto quando Carleto cruzou, a bola não foi cortado e o Léo Ceará cabeceou com perigo.
Craque do jogo: Luciano Castán (CSA)
Garçom: Paulo Sérgio
Melhor treinador: Mozart Santos

  • João Caldas

    O problema do CSA não é os titulares e sim quando eles se machucam e tem que entrar jogadores como Leandrão e Lucas na defesa, Nadson no meio campo e Allano no ataque. Aí vira time de várzea devido a pouca técnica desses reservas. Tem que contratar um bom zagueiro pra suprir a falta do Allan Costa.

  • JORGE LINS

    Meus cumprimentos amigo MARLON, concordo com sua análise sobre a nova forma de jogar do CSA, tambem estou de acordo com a opinião do rapaz, quando se referiu a carência de peças de reposição no time azulino: Está faltando um outro bom ZAGUEIRO, LATERAL ESQUERDO, UM MEIA ORGANIZADOR E um atacante de beirada e de qualidade. Em seguida, a diretoria agradeceria as participações do LEANDRO, ALANO, BILÚ E NADSON e um abraço em cada um dos citados. Foi um prazer meu AMIGO!!!

  • Luiz Gustavo

    Boa tarde amigos, o Azulão engatou 03 vitorias na série B. E está com outras aspirações dentro da competição, precisa de melhorar ainda alguns fundamentos. Avante Azulão.

  • Sérgio Roberto de Menezes Siqueira

    Se deixarem chegar ao G4 já sabem!!

  • Antônio R.

    Meu amigo sempre eu falei aqui, quê o ir da diretoria do CSA com argel fuleiro, 171, iria levar o AZULÃO prá tercerona, aí apareceu esse novo diretor e disse, homem pelo amor de deus, bote esse bosta prá correr, aí acabou o amor pelo técnico de brinquedo, depois disso o CSA virou outro time. Tá desempregado e vai continuar por muito tempo, aquele bosta, era um atraso de vida.

  • Luiz R S Filho

    O AZULÃO começa a esboçar um padrão de jogo. Melhorou o aspecto de posicionamento da equipe. Algumas posições carecem de jogadores de maior qualidade. Resultados positivos são sempre bem vindos.

Deixe uma resposta JORGE LINS
Cancelar reply