Essa é a hora da resistência pelo estadual ser implementada – Blog do Marlon
Resistência sem apoio é enfraquecida
A maior pisada na bola da história

Chegou a hora! Quando a Federação Alagoana de Futebol (FAF) lançou – de forma extemporânea – o manifesto ‘Somos a resistência – Viva o estadual –  tinha como ideia mostrar a importância dos estaduais, mas passou os ‘pés pelas mãos’ -, criou um crime de roubo, usou uma campanha de mau gosto e teve uma repercussão bastante negativa.

Agora a Confederação Brasileira de Futebol cria uma oportunidade, com a clara injeção de recursos no futebol de ofertar resistência. A CBF injetou no futebol alagoano R$ 410 mil. A ajuda é direcionada para os dois clubes da Série D – Jaciobá e Coruripe -, para a UDA, que disputa o Brasileiro Série A2 de Futebol Feminino – e para a própria FAF.

Cada clubes da Série D receberá R$ 120 mil, a UDA receberá R$ 50 mil e a FAF R$ 120 mil. Como além de CSA e CRB, que já estão protegidos e recebem cotas pela Série B, Coruripe e Jaciobá também foram protegidos. Mas outras quatro equipes estão desprotegidas e precisam que a resistência da FAF cheguem aos seus cofres. Me refiro a Murici, CEO, CSE e ASA.

A CBF deixou claro que abraçará os clubes que disputam as competições nacionais, portanto, caberá a FAF distribuir dinheiro com o restante das equipes. Neste cenário, a FAF poderia distribuir os R$ 120 mil recebidos, com os clubes que estão desprotegidos. Nas contas da CBF, a folha média de um clube do estadual gira em torno de R$ 60 mil. A FAF entraria com pelo menos metade de uma destas folhas. Ofertando R$ 30 mil para cada um deles. Apesar de pouco estes valores são fundamentais para estes clubes, que lutam e tentam resistir, mas que claramente, já estão sufocados e sem forças para seguir no front de batalha, pois são aqueles que ficaram desprotegidos.

Talvez neste momento, a sugestão seria criar um novo manifesto  – Somos a resistência – Viva o estadual –também queremos recursos – seja o mantra dos clubes desprotegidos e que já estão próximos de atingir os 30 dias de inatividade.

  • Sampaio

    Esse vírus será um divisor de água.
    Só vai sobreviver os grandes, times de estados anões, como seu futebol desaparecerão.

  • Felipe M.

    Marlon, nada como um dia após o outro. Quando você escreveu sua opinião a respeito do “roubo” da taça do campeonato, claramente ficou evidenciado sua oposição, contudo, você foi até ironizado por alguns leitores, dizendo que “não se podia brincar mais”, que “as pessoas não sabem separar as coisas”. Eu li e fiquei quieto!. Pois bem, vamos ver agora a posição da federação com respeito aos outros clubes que não irão disputar mais nada esse ano.
    Respeito e concordo com todo o comentário desse post e do anterior. Não é momento de brincadeira! Se quiser rir, vá assistir videos de piadas ou pegadinhas.

  • ivo

    Eu acredito que esse vírus mexa com a cachola de alguns, quem sabe numa próxima edição do campeonato Alagoano o nosso comportamento venha ser melhorado, porque não? Melhor administração na federação na organização do campeonato, melhor administração nos clubes, melhores equipes e, acima de tudo um comportamento exemplar das torcidas, “algo tão necessário quanto a cura do coronavírus, afinal estamos necessitando de um respeito maior, não desse palavriado que envergonha qualquer pai de família, fala-se de tudo, mas esquece-se de que a violência nos estádios é um câncer a ser combatido, a censura não deve ser apenas para uma brincadeira, mas também para esses agressores gratuitos dos estádios e a gente sabe quem é, s´o não podemos apontar porque as autoridades que vão ao estadio também conhece, e, tem a inteligência da policia, as câmeras e nada se faz para coibir esses elementos. Isso pode? Ninguém diz nada? Será que a intolerância também é direcionada? Parece que sim.

  • Luiz R S Filho

    Ivo vc menciona essa questão da violência que é grave e não vemos solução.
    Enfoco outros aspectos e insisto na tecla de que os Estaduais, infelizmente, já acabaram. Não há mais como insistir em suas realizações.
    Aqui mesmo no nosso Estado. Pergunto: Que estrutura temos de locais (nem falo estádios) de sede dos Clubes participantes, de campos com a mínima condição de jogo (gramados de boa qualidade e com irrigação), de vestiários equipados com decência, de acomodação ao público, de iluminação que permita jogos noturnos com boa visibilidade, da disponibilidade de segurança geral (sempre diminuta) do espetáculo ? Todo ano (isso já faz tempo) é no arranjo, na improvisação, empurrando com a barriga.
    ´´É mais um oportunismo de políticos que desejam o Clube de suas regiões participando (não importa como) da competição como pano de fundo para seus projetos/aspirações eleitoreiras. E a Federação (entre ano sai ano) faz o quê, que ações toma para mudar esse quadro ?
    Aí vem com uma “campanha de marketing” pífia, vendendo a “valorização” do Campeonato Alagoano! kkkk piada!!!!!

    Marlon, me desculpe, mas esta RESISTÊNCIA é ao NADA!!!!! NADA FAZEM E NADA FARÃO !!!!!!

  • ivo

    Meu caro Luiz, concordo com a sua posição. Quando mencionei, numa próxima edição, na minha cabeça o campeonato terminou. Não tem resistência que dê jeito, nem os heróis da resistência teriam competência para o termino. Também, não existe campeão para um campeonato que se quer terminou o primeiro turno, fazer o que?Bem, nesse caso, já se sabe por antecipação que existirá os inconformados, agora é sentar e achar uma melhor solução, desde que, não seja declarado um campeão. Não houve termino.

  • Pasquale

    Perfeito!

  • Glorioso

    Que futebol em 2020 com publico nos estádios não haverá mais é fato, e o glorioso azulão financeiramente vai quebrar com esse departamento técnico e plantel caro e imprestável.