CRB e CSA ocupam posições esperadas mas entregam pouco – Blog do Marlon
Meia ex-Fortaleza chega segunda para o CSA
Em casa, CRB sofre 1ª derrota com Roberto Fernandes mas permanece no G4

Felipe Menezes e Barbio: dois destaques na vitória do CRB sobre o CEO – Foto: Pei Fon – TNH1

 

Finalizada a fase de classificação, CRB e CSA ocuparam a posição que todos esperavam: um foi primeiro – no caso o CRB – e outro foi segundo. Mesmo sem realizar um bom jogo, o CRB venceu bem o CEO e o CSA optou por poupar jogadores e fez um jogo conseguindo um empate em Coruripe.

Os dois vão precisar entregar mais nesta reta final das competições. Me refiro a semifinal e uma possível final do Alagoano e as rodadas decisivas para buscar classificação na Copa do Nordeste. Para o CRB é incluído na lista, os confrontos contra o Bahia, pela Copa do Brasil.

CRB e CSA viveram toda a fase de classificação, do peso do nome, do maior investimento e lampejos em alguns momentos. Precisarão de mais do que isso.

Coruripe e Jaciobá são os outros dois classificados, com méritos. O Coruripe era até esperado e o Jaciobá apostou em um técnico experiente, em jogadores jovens e talentosos e conseguiu uma classificação acima do planejado. As decepções foram o ASA, que apequenou-se e pode entrar 2020 sem calendário e o Murici que repete as dificuldades dos anos anteriores e faz um Alagoano sofrível, brigando para não cair. Por falar em queda, o Dimensão Capela foi a equipe a sofrer o rebaixamento para 2ª Divisão.

O Jogo tático

 

CRB iniciou o jogo de forma muito positiva. Marcou um gol de manual, que tinha quebra de linha, circulação, de ultrapassagem do volante como homem surpresa pisando na área. Fazendo assistência para o meia, pisar na área e finalizar. Tudo que se pede no futebol moderno, CRB fez com cinco minutos.

Por surpresa esperava o CRB mantendo este jogo esperando o CEO abrir espaços para o Galo definir a partida, mas foi um engano. O time optou por lateralizar o jogo e apenas mandar bola na área. Este tipo de jogo quase deu certo no final do 1º tempo mas para o CEO. Luciano cruzou e Dinho, de cabeça, quase empata.

Ficou muito claro, a fragilidade ofensiva do CRB. A equipe tinha três homens de velocidade que pouco pensavam, que não faziam amplitude, centralizavam o jogo e não faziam com que as linhas defensivas, ficassem mais abertas.

No intervalo, Roberto Fernandes deve ter pedido aos jogadores que parassem com o ‘chuveirinho’ na área pois o time não tinha centroavante. Roberto optou por adiantar mais o Felipe Menezes. Ele deixou de vir pegar as bolas com os volantes e recebeu as bolas como meia, próximo da área. Isso levou o time a conseguir realizar o princípio ofensivo da amplitude. Com Bala e Mailson espetados pelos lados, os espaços iam surgir, as ‘gavetas’ – espaço entre o lateral e o zagueiro, iam aparecer e o CRB teria condição de fazer um momento ofensivo melhor. Mas novamente o CEO começou atacando. Cruzamento de Walter para o Pêpa quase marcar e dar um molho no jogo.

Menezes participa do momento defensivo, pressiona e rouba a bola de Jacobina. Com um toque só, Lucas encontra Bala, que aciona Barbio que mostra precisão e faz o segundo gol. Castigo para o CEO que dois minutos antes havia desperdiçado a chance de empatar o jogo.

Depois disso, o CRB começou a fazer experiências. Trouxe o Warian, que apesar de tímido, não sentiu a camisa. Fez troca corredor de bola longa e foi participativo. O Balotelli denominei como um clone do Lúcio Maranhão: tem a mesma característica com muita força mas não deu pra ver finalizando É uma característica que o CRB não tem nos seus atacantes: jogador de força, que arrasta pelos lados, que chama marcação para o choque e faz uma diagonal com certa qualidade. No entanto, tecnicamente, deu pra ver que é um jogador limitado. Polaco entrou, participou algumas vezes e veio o terceiro gol. Felipe Menezes fez uma de garçom, deu o passe para a definição de Barbio, que bateu mal, mas o André Silva aceitou.

Felipe Menezes fez um ‘double’ na escolha: craque e garçom do jogo. Participativo, fez gol, participou dos lances de gol, com passes e roubadas de bola. Melhor treinador Roberto Fernandes. No final da transmissão pela Pajuçara FM falei que para ser campeão vai precisar de desempenho e resultado, por enquanto, tem apenas resultado. Vai precisar no afunilamento das competições de um desempenho muito melhor, pois caso contrário, a ‘fatura’ será cobrada.

  • Ayrton

    Marlon, externo neste espaço a minha insatisfação e por que não a preocupação com o desempenho aquém do esperado do CSA até o momento.
    A verdade é que já disputamos 14 jogos neste ano, sendo
    duas vitórias e quatro empates na Copa do Nordeste; quatro vitórias e dois empates e uma derrota no fraquíssimo campeonato alagoano; além de um vexame na Copa do Brasil diante do inexpressivo Misto – MT!
    Diga-se de passagem, que todas as atuações passaram bem longe de serem empolgantes e convincentes, pois o que vimos foi um time já em vias de jogar a série A, apresentar – se de forma desqualificada tecnicamente e com um padrão tático que já deu provas suficientes que não funciona!
    Nem o Didira, jogador técnico e táctico, consegue jogar!!
    Diante de tal quadro, quero dizer-lhe que sou realista e não me iludo sobre a possibilidade de disputarmos o título da série A, pois para tanto um time precisa ser qualificado tecnicamente e fisicamente e quantificado no mínimo com 25 jogadores em plenas condições de serem titulares, e isso hoje fica para Palmeiras, Grêmio, Flamengo, Cruzeiro!
    Todavia, com algumas mudanças poderemos com certeza ter condições de disputar a permanência na série A em igualdade de condições com Chapecoense, Ceará, Fortaleza, Avaí, Goiás e Bahia, sobretudo porque são nossos adversários diretos!
    Acontece que no atual elenco do CSA, o qual foi montado a dedo pelo seu treinador com aval da direção, não enxergo sinceramente jogadores no padrão da série A, muito pelo contrário, vejo alguns jogadores no nível “máximo” de série B, outros de série C ou D, exceto João Carlos, Apodi, Castan, Didira e Matheus Sávio!
    Sustento esta minha posição pelos jogos que assisti, quase todos, e o jogo contra o Coruripe não foi exceção à regra, pois só fez aumentar a minha preocupação em relação ao desempenho do CSA na série A, visto que o elenco é sofrível tecnicamente e um padrão táctico que não funciona!
    No jogo de ontem só não saímos derrotados por mera falta de sorte do adversário!
    Hoje é fato que apesar de o CSA se intitular como time de série A, todavia vem decepcionando seu torcedor, pois não conseguiu a primeira colocação na fase de classificação do mediano campeonato estadual (e isto era obrigação), está ainda fora da zona classificatória do Nordestão, além da vergonhosa eliminação na primeira partida da Copa do Brasil para o modesto Misto de Cuiabá!
    Então é inevitável que perguntas surjam sobre o tão propagado planejamento!
    Infelizmente, na atual situação não existem motivos para sonharmos com uma boa participação na série A!
    E não venham falar nas contratações de jogadores já para a primeira divisão do brasileiro do tipo Carlinhos e Cassiano (reservas na série B do fraco e rebaixado Paysandu); Manga Escobar (de reserva a dispensado no Vasco por não ser utilizado); e que se juntam a jogadores como Patrick Fabiano (artilheiro, porém no pobre futebol do Kuwait), Joazi, Léo, Pedro Rosa, Amaral, Jonathas, Lohan, Hiago, Mauro Silva, Lucca, Ramon, Jhon Clay, Vitor Paraíba, Régis, Dawhan!
    Qual foi o critério então adotado na escolha desses jogadores?
    O fato é que não temos plantel nem padrão táctico, aí o buraco é bem mais embaixo!
    Precisamos atentar para o fato deste treinador está repetindo a mesma coisa que realizou no Atlético – GO, ou seja, após obter o acesso para a série A, desfez o elenco, montou outro a seu modo que sequer chegou às finais do campeonato Goiano, e quando iniciou a série A, perdeu quatro jogos nas primeiras rodadas e terminou sendo demitido!
    O problema que já era tarde demais, o estrago já estava feito e o Atlético -GO acabou rebaixado!
    Apesar desse cenário, o nosso papel como torcedor é torcer pelo CSA e desejar a diretoria mais lucidez e felicidades com as escolhas nas novas contratações!
    Sigamos em frente!

  • CLAUDIO LUIZ SEVERINO PEREIRA

    Contrata logo alef manga do Coruripe

  • Fabinho Falcão

    Dois times ruins, CRB e Cessiá. Principalmente o CRB, pois não tem ningu´ém do Ferrugem pra cima. Danilinho, Sanches, Felipe Lento Menezes, Mailson, Danilo Bala Zé dos Goles, Victor Rangel… não presta nenhum desses ou até se salva o Barbio, que é o menos pior.

    Para Série B tem que contratar jogador de verdade. Aproveitar agora que muitas equipes foram eliminadas no campeonato Paulista. Ou então é aguardar o novo diretor de futebol para ir em busca de atletas nos país vizinhos, assim como fez a Ponte Preta.

    Se continuarem com esse futebolzinho, podem crer que a queda do CRB pra C e do cessiá pra B já é realidade. Dois times fracos em tudo. Só H pra enganar o torceder!

  • Carlinhos

    Prezado Ayrton concordo com você em quase tudo em que você está vendo e com certeza a nossa diretoria está também vendo. Eu tenho certeza que a metade desses jogadores contratados pelo CSA vão ser dispensados. Não adianta o CSA investir agora nesse campeonato pífio que é o Alagoano. Fiquei assistindo um futebol entre CSA X Coruripe, que porcaria. O Azulão vai contratar e bem para a série A. Vamos dá um credito ao nosso treinador que merece e muito. Não é atoa que estamos aonde estamos.

  • Interiorano

    Nesse sobe e desce sem fim dos chamados times pequenos, eu só sinto pelo time do Dimensão Saúde! Com esse formato de campeonato, onde, um time pequeno que cai para uma tal segunda divisão a qual, eu não vejo necessidade de ter no futebol alagoano, o time do Dimensão Saúde só voltará a jogar se é que vai voltar, no final do ano de 2020! ´Por isso, que muitos times dos Municípios do Interior, tendem a desaparecer do cenário esportivo alagoano! Por onde andam Atalaia, Batalhense, Bom Jesus, Capelense, CSE, Comercial, Igaci, Ipanema, Santa Rita, União! O menos ruim para os times pequenos e para o futebol alagoano era que a segunda divisão, fosse disputada no mesmo ano do caimento! Ou seja, um time que jogasse a primeira divisão nos meses de janeiro, fevereiro e março, se caísse para a segunda divisão, disputaria a mesma nos meses de outubro a dezembro do mesmo ano! Com isso, só ficaria 6 meses sem jogar! Aí sim, um time pequeno teria condições de se reestruturar e fazer frente aos chamados times grandes, além de ter um time forte para disputar a Série D, elevando o nome do Município! Do jeito que está, só CRB e CSA jogam durante todo o ano (Campeonato Alagoano, Copa do Brasil, Copa do Nordeste, Série A e Série B)! Se não houver uma mudança, até o ASA pode ser prejudicado (vejam que nesse campeonato alagoano desse ano, essa equipe quase cai para a segunda divisão) e aí, o ASA só voltaria a jogar no final de 2020!

  • interiorano

    Nesse sobe e desce sem fim dos chamados times pequenos, eu só sinto pelo time do Dimensão Saúde! Com esse formato de campeonato, onde, um time pequeno que cai para uma tal segunda divisão a qual, eu não vejo necessidade de ter no futebol alagoano, o time do Dimensão Saúde só voltará a jogar se é que vai voltar, no final do ano de 2020! ´Por isso, que muitos times dos Municípios do Interior, tendem a desaparecer do cenário esportivo alagoano! Por onde andam Atalaia, Batalhense, Bom Jesus, Capelense, CSE, Comercial, Igaci, Ipanema, Miguelense, Penedense, Santa Rita e União! O menos ruim para os times pequenos e para o futebol alagoano era que a segunda divisão, fosse disputada no mesmo ano do caimento! Ou seja, um time que jogasse a primeira divisão nos meses de janeiro, fevereiro e março, se caísse para a segunda divisão, disputaria a mesma nos meses de outubro a dezembro do mesmo ano! Com isso, só ficaria 6 meses sem jogar! Aí sim, um time pequeno teria condições de se reestruturar e fazer frente aos chamados times grandes, além de ter um time forte para disputar a Série D, elevando o nome do Município! Do jeito que está, só CRB e CSA jogam durante todo o ano (Campeonato Alagoano, Copa do Brasil, Copa do Nordeste, Série A e Série B)! Se não houver uma mudança, até o ASA pode ser prejudicado (vejam que nesse campeonato alagoano desse ano, essa equipe quase cai para a segunda divisão) e aí, o ASA só voltaria a jogar no final de 2020!

  • Pedra Virada

    Vergonha! Vergonha! Vergonha!
    O glorioso azulão foi transformado em uma casa de acolhimento de jogadores, velhos, ultrapassados e perebentos.
    Retorna o elenco da serie B que apresentava mil vezes mais futebol que o atual.
    Ou plantel desqualificado o contratado pelo cabo de vassoura.

Deixe uma resposta Pedra Virada
Cancelar reply