Desempenho baixo mas vitória oferta 100% ao CRB – Blog do Marlon
Quadro ‘O futebol que o povo comenta’ estreia hoje com convidados ilustres
CSA empata com Fortaleza com força defensiva e inofensivo no ataque

CRB vence Jaciobá mas passa sufoco e expõe dificuldades no elenco – Foto: Gustavo Henrique – ASCOM CRB

 

Não vi o jogo do CRB contra o Murici mas de todas as partidas disputadas até agora, o jogo contra o Jaciobá assustou e deixou latente uma série de problemas. O principal deles está ligado a qualidade do elenco.

Sem a base considerada titular, o CRB apresenta muitas dificuldades. É claro que estamos falando de início de temporada, mas algumas conclusões podem ser tiradas notadamente em peças que não acrescentam no modelo de jogo, peças que não estão em forma e algumas peças que não terão espaço por falta de qualidade.

A vitória – com requintes de sufoco – contra o Jaciobá expõe que a dificuldade na qualidade do elenco. O CRB mesclou jogadores, começou sendo dominado e mesmo quando passou a viver um momento melhor, viveu somente da bola parada. Ficou latente, a superioridade do Jaciobá no segundo tempo.

Apesar de tudo, vencer foi positivo. Segue com 100%, segue invicto e desenhando um time titular e mais algumas peças que podem manter a competitividade da equipe. Pensando na temporada será preciso muito mais para o CRB fazer uma temporada forte.

O Jogo tático

CRB veio para o jogo modificado. O time alterou  toda a primeira linha de quatro, um time com um meio campo mudado e desde o início sentiu dificuldades contra um Jaciobá, uma equipe totalmente diferente que se viu com o CSA. Era um time diferente em peças, mas também no comportamento de jogo, pois marcava alto, com intensidade e o CRB tinha apenas ligação direta.

Até os 15 minutos, o Jaciobá mais efetivo, mas sem conseguir qualidade na finalização.

O CRB encontrou o jogo colocando a bola no chão, se adaptaram ao campo e fez valer a melhor qualidade técnica. Mesmo assim, o CRB construiu sua ofensividade só na bola parada. Hugo Sanches fez um ensaio no primeiro lance e Mattis acabou chutando para fora, mas no lance seguinte, Sanches ergueu e Willian Barbio posicionou-se, desviou e abriu o marcador.

Após o gol, o CRB manteve o melhor momento no jogo e novamente na bola área, o CRB ampliou. Hugo Sanches cobrou, Barbio desviou e após defesa do goleiro Diogo, Mateus Silva mostrou faro de gol e fez mais um, o terceiro dele com a camisa do Galo.

Veio o segundo tempo e com 2 a 0 imaginei que o Galo definiria o jogo encaminhando uma goleada. Os dez minutos iniciais o CRB estava em cima, pressionando, mas depois apresentou cansaço e o Jaelson fez trocas inteligentes que fizeram o Jaciobá ganhar o corredor central e dominar o jogo por completo.

Já sem controlar o jogo, o CRB foi pressionado. Com mais volume, o Jaciobá construiu uma jogada pelo lado direito que resultou em um pênalti infantil do zagueiro Luiz Fernando. Alexandre bateu com categoria e pressionou ainda mais o CRB.

Roberto Fernandes fez as trocas, trouxe Mailson, Zé Carlos e Polaco mas em nada contribuíram. O Jaciobá seguiu com o controle do jogo e Edson Mardden ainda fez uma grande defesa evitando o empate.

Melhor jogador Allefi (Jaciobá), o garçom foi Hugo Sanches (CRB) e Jaelson Marcelino foi o melhor treinador.

  • Alex Rodrigues

    Parabéns Marlon, bela análise, mas o nome correto do atleta é Allef.

  • Souza

    O CRB levou uma certa pressão do Jaciobá e de fato é mérito do escolhido melhor treinador da partida, o competente Jaelson Marcelino. Embora o CRB tenha jogado com time alternativo…sem a presença de dois monstros (no bom sentido): Claudinei e Ferrugem. O treinador deixou de botar o João Paulo na lateral esquerda e optar em avançar o Guilherme, como já vem fazendo.

    No mais, o jogo foi bom e serve para que possamos entender que o CRB não é absoluto e ainda falta um pouco para pegar ritmo total e chegar ao entrosamento. Mailson e Zé Carlos com certeza estão abaixo do condicionamento físico ideal. O grupo como todo não deixa de tá de parabéns, principalmente diferenciado Roberto Fernandes. Ele fala a linguagem que o elenco quer e não tem firula. Não gostou da equipe, mesmo sabendo que não é a equipe titular, mas precisa cobrar mais empenho. Só assim pode pensar nos objetivos, pois só falação de jogador e presidente pra ganhar mídia não chega em nenhum canto. É viver o mesmo de sempre “mais uma vez”.

    Muito trabalho e pouco blá blá blá… Humildade sempre.

Deixe uma resposta Alex Rodrigues
Cancelar reply