O fim da arrogante Era Mazola com um resultado previsível
Nem tudo está certo e também nem tudo está errado

Costumamos olhar para nossa casa, para os nossos times. É claro que a Série B deste ano não tem nenhum grande time – aqueles integrantes do G12 -mas a presença de CSA e CRB, os dois times de maior projeção em Alagoas – nos chama atenção.
E mais do que isso, gera uma enorme expectativa para saber qual das equipes terá mais sucesso na competição.
Claramente, o CSA se posicionou com o objetivo de permanecer na Série B. A fala de Marcelo Cabo, técnico azulino e dos dirigentes Rafael Tenório e Raimundo Tavares, que podem falar pelo clube, são voltadas para permanecer na Série B.
A perda do campeonato para o CSA, a pressão sobre Mazola Júnior fizeram com que o CRB não tivesse uma fala clara, seja do seu treinador ou até mesmo do seu presidente, sobre o objetivo, a meta da equipe. No último ano, o CRB assumiu claramente a fala de acesso, vindo da própria direção e de alguns jogadores.
Também fica muito evidenciado que o resultado do estadual reflete inicios diferentes. O CRB começa pressionado pela derrota, com o técnico sendo questionado, com jogadores sendo agregados e jogando fora de casa. Perder na estreia seria potencializar o momento de pressão.
Já o CSA começa em casa, após vários anos fora da competição, jogando contra um adversário que sempre é candidato ao acesso, mas um resultado negativo na estreia também traria questionamentos.
Os dois tem elencos com qualidade, técnicos com conhecimento da competição e podem disputar a Série B sem sustos ou sem ‘namorar’ com a zona de rebaixamento.
É momento de disputar – ao menos para nós – a mais importante Série B dos últimos anos.