O título da ousadia e da coragem
A minha seleção do campeonato. E a sua, qual é?

Ruídos. Este tem sido um dos graves problemas enfrentados pelo CSA ao longo da temporada. Rafael Tenório, presidente azulino, ainda não conseguiu estancar as fofocas, os problemas internos e a forma como o clube é aberto.

João Feijó tem sido defenestrado no CSA mesmo dando uma grande parcela de contribuição ao clube. Feijó não faz parte oficialmente da direção, mas tem sido o ‘executor’ das necessidades azulinas.

Marcelo Cabo é um técnico que conhece o mercado e tem feito seus pedidos a direção do clube, indicando jogadores do seu conhecimento. Rafael Tenório e Raimundo Tavares recebem as indicações e como não tem acesso no mercado, acionam João Feijó para definir os pedidos.

Feijó é o homem que conhece o mercado, tem acesso aos agentes dos jogadores e acesso aos presidentes do clubes e por ser do mercado, ainda tem o poder de negociar valores abaixo do que o CSA conseguiria. Um exemplo claro disto é um jogador que pediria R$ 30 de salários para jogar a Série B ao clube e com João Feijó, o acerto cai para R$ 18 mil.

Homem de negócios, Rafael Tenório faz as contas na ponta do lápis. A diferença de R$ 12 mil é multiplicada por sete meses de disputa da Série B traz uma ‘economia’ para o clube de R$ 84 mil. Isso colocando apenas um jogador. Se você multiplicar por cinco, seis, dez jogadores, e com valores acima disto, o montante economizado é muito significativo.

A situação é tão pontual que alguns jogadores sequer jogaram , ainda não estrearam e já são contestados.

João Feijó seria um Midas em que tudo feito virá ouro ou só tem coisas positivas? Claro que não. Feijó também erra em indicações, erra em apostas. E neste caso precisa ser cobrado – mesmo que não seja ‘funcionário” do clube – por jogadores de melhor qualidade.

Outro aspecto a ser observado é a necessidade de quem dirige o CSA, neste caso, Rafael Tenório e Raimundo Tavares se posicionarem de forma clara sobre o assunto. Também se faz necessário que o ninho de fofocas vindas de dentro do próprio Mutange.

As pessoas ainda não entenderam que a campanha difamatória criada contra João Feijó, e, que o CSA não se posiciona de maneira contrária – acaba sendo nociva para o próprio clube. Rafael, Raimundo, João, Omar, Pedrinho, Cabo todos juntos mostram “União e Força” e podem fazer um CSA forte na Série B aproveitando o melhor que cada um tem.

Se cada um destes estiver em uma trincheira diferente, o CSA estará sofrendo e correndo risco de ter uma equipe enfraquecida.