Nem o ensaio, nem valendo: o CRB não funcionou como poderia
Deficiências físicas tiram rendimento uniforme do CSA

Cobrando falta, Ratinho empatou para o CRB; novamente o melhor jogador do Galo em campo – Foto: Pein Fon – TNH1

 

 

Era importante vencer. O CRB derrotou o CSE em uma reação nos quatro minutos finais do tempo inicial. O time de Palmeira chegou a sair na frente, mas o Galo virou o marcador.

No entanto, se a vitória foi importante, o desempenho do Galo deixou a desejar. O reforço desta avaliação se dá pelas vaias do torcedor ao final da partida e pela própria fala de Mazola Júnior se referindo a necessidade de vitória.

O CRB enfrentou o CSE modelado com três volantes, usando um triangulo de base alta, o que poderá ser um ensaio para encarar o Tricolor no Morumbi.

Para o campeonato, o CRB cresceu subindo para a 2ª posição, mantendo a distância para o novo líder, o CSA, que segue com um ponto a mais que o Galo. A rodada trouxe também uma derrota inesperada do Coruripe para o Santa Rita. O time de Boca da Mata evitou um rebaixamento antecipado. Também mostrou o Murici reagindo, vencendo o ASA e criando uma boa chances para fugir do rebaixamento. Além do duelo direto pela liderança, entre CEO e CSA, com vitória azulina por 2 a 0, colocando o Azulão pela 1ª vez na liderança. Até então, o campeonato teve domínio do CRB, liderando cinco das sete rodadas. CEO e , agora, o CSA lideram uma rodada, cada.

O jogo tático

 

Mazola trouxe como novidade, CRB modelado com três volantes: triangulo de base alta – Imagem: Marlon Araújo ´Tatical Pad

Mazola ensaiou o que ele deve levar para São Paulo usando três volantes no corredor central para fazer triangulações pelos corredores e dobrar corredores, pois com isso, ele acaba empurrando o lateral para dobrar com o extremo e ainda conta com um volante para fazer a triangulação. O lateral ultrapassa a divisória do campo, fazendo a função do extremo e o extremo flutua por dentro, para criar a jogada e ter mais espaço.

CRB veio nesta modelação. No entanto desde o início, a partida apresentou um jogo muito lento. O CRB tinha a posse mas não conseguia criar situações dentro do modelo estabelecido. Não havia triangulações, ultrapassagens. Ao longo do tempo inicial, o corredor mais ativo era o direito com as presenças de Willians Santana e Edson Ratinho e com a chegada de Willians Fernandes.

O CSE chamava atenção pois quando tinha a bola buscava atacar. O tricolor usava Pinheirinho e Diego Clementino como principais opções, marcava mais baixo e jogando por uma bola buscava surpreender.

Passaram 40 minutos para o CRB oferecer a bola que o CSE desejava. Foi quando Pinheirinho girou sobre Manoel, foi ao fundo e cruzou. Houve uma falha de comunicação entre Everton Sena e o goleiro e o lateral Erick chegou soltando uma pancada para fazer CSE 1 a 0.

Logo a seguir, Neto usou de experiência, deu o corpo na entrada da área e foi derrubado. Ratinho cobrou a falta de fez um belo gol. Já nos acréscimos, o zagueiro do CSE perdeu a saída de bola, Willians Santana roubou e tocou para Neto Baiano que acabou sendo derrubado dentro da área. O prório Neto cobrou a penalidade e colocou o CRB na frente: 2 a 1.

Imaginava-se que no 2º tempo, Mazola poderia soltar o time, mas ele manteve a formação, usando os três volantes. Mazola insistiu em dar ritmo a Juliano. O time ficou mais lento e o CSE passou a ter chances, uma com Pinheirinho e outra com Clementino. Mazola resolveu abrir mão de um volante e trocou os extremos, tendo Rafael Bastos, Ruan e Pedrinho. Criou três oportunidades, mas nenhuma delas com perigo. Em compensação, O CSE teve Geovânio acertando o travessão e Pinheirinho batendo cruzado e quase marcando. CRB foi salvo pela defesa de Edson Mardenn.

O CSE surpreendeu pela qualidade de não rifar a bola, de buscar o jogo mais próximo, valorizar a posse, principalmente quando tinha os onze homens em campo. Os dois extremos- Pinheirinho e Geovânio –  chamam atenção e se forem trabalhados, podem incomodar.

Já o CRB segue apresentando um problema de quem pensa o jogo. Willians Santana é que faz isso no CRB, mas quando é substituído o time fica extremamente previsível.

Pinheirinho foi o garçom  da partida. Edson Ratinho foi o craques. O técnico Cleibson Santana trabalhou melhor na partida e José Ricardo Laranjeira fez uma arbitragem ‘preguiçosa’, acertou nos lances capitais e recebeu nota 7.