CSA vai investir em algo novo
Vitória, permanência com comprometimento e plano tático

Mazola Júnior: grande técnico, mas que mostrou um discurso contrário a categoria – Foto: Junior de Melo – PFC

 

O discurso usado por Mazola Júnior na coletiva após a vitória sobre o Goiás, que praticamente assegurou a permanência do CRB na Série B, trouxe uma reflexão preocupante trazida pelo técnico Mazola Júnior.
O treinador foi indagado pelo repórter Luciano Costa sobre legado de Dado Cavalcanti e Léo Condé. Mazola respondeu elogiando a formação do elenco – feita pelos dois treinadores – mas também ‘cutucou’ os colegas de profissão.
“A opção da diretoria ter tirado o Condé, ter tirado o Dado, foi uma opção que tinha alguma coisa errada, é preciso fazer alguma coisa, se não Marcos Barbosa e Alarcon não seriam loucos de tirar, alguma coisa tava precisando ser trocada, né?”, disse o treinador.
Mazola sabe que nem sempre é assim, “tinha alguma coisa errada”. No mundo do futebol, e ele tem conhecimento disto, a coisa errada também pode ser um desentendimento com quem manda ou uma divergência de pensamento entre quem manda no clube e quem comanda o time.
Mazola chegou elogiando muito os dois antecessesores, mas no momento de valorizar o trabalho, optou por avalizar a forma como a direção do CRB tratou de mudar os técnicos.
Entre os três, Dado obteve o melhor percentual de aproveitamento: 52%, contra 35% de Mazola e 23% de Condé. Em tese, somente, em tese – Dado teria feito o melhor trabalho. Vejo nos três excelentes profissionais. Os motivos que fizeram Marcos Barbosa desligar os dois antecessores de Mazola são motivos de quem manda no clube e isso quebra a sequencia de trabalho de qualquer profissional, seja Mazola, Dado ou Condé.
Por fazer parte da Federação Brasileira de Treinadores de Futebol , junto com Dado e Condé, Mazola sabe que a atitude do presidente do CRB é a mais questionada pela categoria e que o fortalecimento dos profissionais do futebol passam por reações a este tipo de atitide: culpar o técnico.
Na sua primeira fala ao chegar a Maceió, Mazola ressaltou a preocupação com estas trocas e disse que um dos principais principios da Lei que os treinadores pedem é ‘inibir isso, estas trocas de técnicos no futebol brasileiro”.
Mazola chegou a ser contactado pelo CSA, mas negou o convite e chegou a justificar no grupo de treinadores que seria ‘solidário’ a Ney da Matta , em cima da justificativa dada pelo ex-treinador do CSA sobre sua saída. Houve solidariedade em relação a forma como Dado foi demitido? Mazola ouviu do ex-treinador do CRB porque da sua saida do clube ou ficou apenas com a versão do clube para a mudança?
Talvez, e , isso é somente uma avaliação de quem está fora do processo, este momento ressaltado por Mazola (“tinha alguma coisa errada”, para saida dos treinadores) justifique o fato de Mazola ainda não estar em um grande time de Série A, porque conhecimento, estratégia e plano de jogo, leitura da partida, ele tem como poucos no futebol brasileiro. Resta que o técnico do CRB possa ter uma oportunidade em clube da Série A sem que ‘tenha algo de errado’ para saida de um profissional e sim, que ele seja reconhecido pelo excelente trabalho que realiza e mais, que quando esteja por lá, não seja retirado porque algum dirigente entendeu que ‘tinha alguma coisa errada”