Campo impraticável, demora para se adaptar e 2ª derrota em sequencia complicada
CRB perdeu para ‘o futebol de hoje’ e provando do veneno que ele oferta aos outros

O CSA já sabe que a Tombense é o seu adversário nos dois jogos que garantem o acesso para Série B. Também já sabe que os dois confrontos serão realizados nas duas próximas segundas-feiras. A partir de agora o CSA tem alguns ‘deveres de casa’ para fazer e chegar fortalecido a disputa.
O primeiro objetivo da direção é blindar o grupo de todas as coisas externas que envolvem a decisão, mas que não podem contaminar o grupo. A saída do zagueiro Thalles, os jogos marcados para dias que não agradaram o torcedor, o aspecto de achar que o CSA subiu pela diferença de tradição entre o time azulino e o adversário, o sentimento que já chegou na Série B.
Tudo isso faz parte de um pacote letal para fracassar. O CSA precisará controlar a ansiedade. Os dois jogos do mata-mata são partidas que envolvem grande carga emocional que influenciam diretamente no rendimento da equipe.
Será preciso trazer a decisão para Maceió em condições favoráveis para o CSA. O jogo em Tombos é importante, mas ele só decide a classificação em caso de goleada de um lado ou de outro.
E o mais importante: o CSA não pode se achar superior. Os aspectos favoráveis a equipe, como tradição, desempenho na competição, força da torcida, peso no cenário nacional, tudo isso fica fora deste momento. Mesmo tendo tudo isso, o CSA precisará decidir a partida dentro de campo, jogando com força, comprometimento, mas acima de tudo com inteligência.
Não sou – nem tenho pretensão – o dono da verdade, mas este caminho deixará o CSA mais próximo do objetivo. Qualquer outro caminho seguido poderá levar o CSA para um Tombo histórico e que deixará marcas em todos.