Para enfrentar a barreira do preconceito, o apoio da família é mesmo fundamental! Com a passagem pelo Dia Internacional de Combate à Homofobia, vale chamar a atenção para o grande número de agressões a gays, lésbicas e transexuais aqui em Alagoas. Ano passado foram 21 assassinatos e 84 denúncias de agressões físicas e morais motivadas por questões homofóbicas no estado. Este ano já são quase 50 casos denunciados (e ainda estamos em maio!).  5 assassinatos já foram registrados, fora os outros casos que sequer são conhecidos ou divulgados. Números que envergonham pela intolerância. A minha esperança é que as pessoas coloquem mais amor no coração e respeitem a opção de cada um. Viva a diversidade. Viva a democracia brasileira. Viva nossa constituição que garante o direito de ir e vir. E uma grande mudança para reverter as formas de preconceito pode começar dentro de casa! Familiares que convivem com LGBTs, podem representar uma grande base não só para aprender e compreender, mas também para ensinar e compartilhar esse respeito. Felizmente, muitos homossexuais assumidos conseguem ter uma relação de amor dentro da própria família.

Esse exemplo que exibimos no Pajuçara Noite me emocionou. Uma linda relação entre uma mãe e um filho gay, que deve servir de inspiração para outras famílias que talvez estejam passando pela mesma situação. Acompanhe.

E foi acompanhando essa linda reportagem dos colegas Welinton Soares e Edson Moura que decidi compartilhar esse assunto tão importante aqui com vocês, aproveitando para condenar qualquer prática de homofobia. Dulceana, que além de Matheus é mãe também da jovem Larissa, é mesmo um exemplo de mãe. Aquela que prioriza o amor, a conversa e o respeito na relação com os filhos.  Após a exibição da reportagem não me contive e liguei pra ela. Saí do estúdio e corri para o telefone na redação. Queria escutar sua voz! E aquele mesmo amor que vi estampado nos olhos quando assisti na televisão, percebi em cada palavra quando se refere ao Matheus. Além de lindo ele é mesmo um filho privilegiado por ter uma família que aceita e respeita sua opção sexual. Matheus, que tem 26 anos e está estudando inglês na Irlanda, tem um namorado que atualmente mora na França. Dulce já conheceu e aprovou. O genro já passou as festas de final do ano aqui em Maceió com Matheus e a família. “Ele é uma pessoa maravilhosa!”, me disse alegremente.

Eu adorei saber mais sobre essa linda família! Matheus que é fotógrafo e trabalha catalogando obras de arte, sempre foi um menino que chamava a atenção entre os colegas, mais do que pela altura. Sempre gostou de se vestir de forma colorida, chamativa e de um jeito mais irreverente, se destacando por isso.

Conversando com Dulce descobri que Matheus teve um relacionamento com uma mulher e que foi apaixonado. Namoraram durante 3 anos, mas no final a relação entre os dois parecia fraterna e até hoje são grandes amigos! Dulce me disse que sempre percebia o jeito diferente do filho ser. “Desde cedo já percebia a postura dele, mas respeitava a situação e sempre esperei ele me falar sobre o assunto. Ele mesmo tinha que sentir o momento pra enfim revelar sua homossexualidade”, disse Dulce. E quando Matheus percebeu que era a hora, conversou com a mãe e deu tudo certo! “O amor não diminuiu. Nada mudou. Eu já sabia disso antes e o que mais importava para mim era ele como ser humano”. Divorciada, Dulce me disse que a relação de Matheus com o pai também é excelente. Mesmo sendo mais fechado, ele aceitou e acolheu o filho no momento que revelou sua homossexualidade. E assim continuam grandes amigos até hoje! Segundo Dulce, a única diferença para os outros pais é que eles têm um casal de filhos e dois genros!

Essa linda relação entre Dulceana e o filho Matheus também foi mostrada nesse vídeo que fez parte de uma websérie produzida pela “Mãe da Noiva”, da jornalista Luciana Buarque, que trabalha com bolos e bem casados. Se você ainda não viu, não perca essa oportunidade de ver e sentir o quanto o amor e o respeito podem falar muito mais alto que qualquer tipo de preconceito!

“Minha esperança é plantar a semente no coração de alguém. Se, de todas as pessoas que visualizaram o vídeo e acompanharam a reportagem, pelo menos dez passarem a tratar o ser humano com mais amor e respeito, eu já fiquei satisfeita”. DULCEANA PALMEIRA – mãe de Matheus.

CURIOSIDADE  DA DATA: Foi no dia 17 de maio de 1990 que a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças. (Sim. A homossexualidade, acreditem, era considerada uma doença!) Desde então, essa importante data se tornou o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia e virou símbolo da luta por direitos humanos e pela diversidade sexual, contra a violência e o preconceito.